sexta-feira, 11 de setembro de 2015

Advogado muçulmano é candidato à prefeitura de Londres


Londres poderá ter seu primeiro prefeito muçulmano, depois que o Partido Trabalhista elegeu nesta sexta-feira um advogado desta religião, Sadiq Khan, seu candidato.

Khan, de origem paquistanesa, filho de um motorista de ônibus e advogado dos direitos humanos, disputará as eleições de maio para suceder o conservador Boris Johnson, um dos políticos britânicos mais conhecidos.

Apesar de o prefeito de Londres ter poucos poderes comparado com os de cidades como Nova York, este é um posto ocupado geralmente por políticos importantes.


O último prefeito trabalhista de Londres foi Ken Livingstone, entre 2000 e 2008.


Universidade Metodista de São Paulo promove colóquio “Religião e Direitos Humanos”



O Núcleo de Formação Cidadã da Universidade Metodista de São Paulo e a Assessoria de Direitos Humanos da Igreja Metodista na Terceira Região realizam no dia 19 de Setembro, sábado, o Colóquio: 

“Religião e Direitos Humanos”



A proposta é realizar um diálogo sobre as gerações dos Direitos Humanos e as contribuições da ética filosófica para a reflexão sobre os Direitos Humanos. 

A atividade é aberta ao público em geral, e terá o formato de uma roda de conversa, possibilitando aos presentes exporem suas opiniões e experiências. 

O objetivo é o fortalecimento das práticas promotoras de cidadania, dos Direitos Humanos e da solidariedade.


Será fornecido certificado de horas aos participantes.

Colóquio “Religião e Direitos Humanos”

Data: 
19 de Setembro, sábado – 14h às 17h. 

Local: 
Universidade Metodista de São Paulo – Campus Rudge Ramos - Auditório do Edifício Delta 

Rua Alfeu Tavares, 149 – São Bernardo do Campo, SP.




Papa Francisco e líderes religiosos assinam acordo contra a escravidão


O Papa Francisco e os líderes de diversas religiões do planeta, judeus, muçulmanos, ortodoxos, anglicanos, budistas e hindus, assinaram na terça-feira (02/09), no Vaticano, uma declaração conjunta na qual se comprometem a lutar contra a escravidão moderna e o tráfico de seres humanos.

Segundo dados do “Global Slavery index 2014”, 36 milhões de homens, mulheres e crianças de todo o mundo são vítimas principalmente do trabalho forçado e da exploração sexual.

“Nos comprometemos hoje a fazer tudo a nosso alcance, em nossas comunidades religiosas e além, para trabalhar em conjunto para libertar aqueles que são reduzidos a escravos e vítimas de maus-tratos, a fim de dar a eles um novo futuro”, afirma a declaração.

O documento foi assinado na sede da Pontifícia Academia para as Ciências, no Vaticano, na presença dos rabinos Abraham Skorka e David Rosen, do Comitê Judeu Americano; do líder ortodoxo Emmanuel, da França, e do grande aiatolá iraquiano Mohammad Taqi al-Modarresi, entre outros.

Antes da assinatura, o Papa Francisco denunciou um “flagelo atroz, presente em todo o mundo e em todas as formas, econômicas, psicológicas, sexuais”, incluindo ‘no turismo”.

Benjamin Skorka, rabino de Buenos Aires, afirmou que todos os homens têm “um único Pai” e lembrou a escravidão nos campos de concentração e de extermínio durante a Segunda Guerra Mundial.

“São nossos irmãos, irmãs, filhos, filhas que são explorados: nesta era de globalização, o que acontece a um acontece a todos nós”, afirmou a venerável Bhikkhuni Thich Nu Chan Khong, representante do budismo.

Ela apelou à “compaixão” não só pelas vítimas, mas também ‘aos traficantes que sofreram e que podemos despertar e transformar para que se tornem nossos irmãos e aliados’. 
Em uma mensagem de vídeo, o patriarca ortodoxo de Constantinopla, Bartolomeu, associou a a luta contra a escravidão e a proteção do meio ambiente, “os dois lados da mesma moeda’’.

“À medida que trabalhamos para estabelecer prazos e limites” para a proteção do meio ambiente, “não podemos ser indiferentes à exploração que faz desconectar um corpo de sua alma”, ressaltou.

O líder dos anglicanos, o arcebispo de Canterbury, Justin Welby, um dos principais defensores da iniciativa, pediu leis mais eficazes “contra as formas de escravidão, bem como a colaboração com o mundo empresarial não excluindo campanhas de denúncia”.

A iniciativa é apoiada pela Global Freedom Network, a rede mundial que combate a escravidão em todo o planeta. No documento, os líderes religiosos se comprometem a erradicar a escravidão moderna e o tráfico de seres humanos, e convidam os governo e chefes de Estado a apoiar publicamente tal iniciativa.

Os representantes das diversas religiões pedem a todos os países que reconheçam a “exploração física, econômica e sexual de homens, mulheres e crianças como um crime contra a humanidade”.


1° Congresso de Agentes Políticos Evangélicos do Brasil (CAPEB)

Nos dias 22 e 23 de Outubro será realizado o: 

1° Congresso de Agentes Políticos Evangélicos do Brasil (CAPEB)

Evento organizado pela Frente Parlamentar Evangélica (FPE), em Brasília (DF). Os organizadores esperam receber cerca de 3 mil pessoas que serão acomodadas no Centro de Convenções Ulysses Guimarães.

Segundo o coordenador do evento, deputado federal Sóstenes Cavalcante (PSD-RJ), o CAPEB tem como objetivo a formatação de um documento com as propostas unificadas de políticas públicas nas diversas áreas e setores da política brasileira.

Com o tema: “Brasil Pátria da Família”, o evento também visa a realização do Censo dos políticos evangélicos do país.

Durante os dois dias de congresso acontecerão palestras sobre diversos temas com nomes como Dep. Eduardo Cunha, Ministro Ives Gandra Filho, Renato Pereira, Dr. Miguel Nagib, Desembargador Fausto De Sanctis, Dr. Oslain Campos Santana e o pastor Silas Malafaia.


As inscrições para o CAPEB foram iniciadas no dia 25 de agosto e vão até o preenchimento de todas as vagas. Interessados devem acessar o site: www.eventocapeb.com.br.




Chamado do Papa: todas as dioceses da Europa acolham uma família de refugiados


Nos últimos dias, o Papa Francisco tem lançado um forte chamado para que todas as dioceses da Europa acolham uma família entre as dezenas de milhares de refugiados que fogem dos horrores da guerra e das perseguições. "A misericórdia de Deus, disse, se reconhece através de nossas obras”, assinala.

Frente à tragédia de dezenas de milhares de refugiados, que fogem da morte pela guerra e da fome e estão a caminho de uma esperança de vida, diz Francisco:

"o Evangelho nos chama, nos pede que sejamos ‘próximos’ dos menores e abandonados; que lhes demos uma esperança concreta e não digamos somente ‘ânimo, paciência’”? Para ele, a esperança cristã é combativa, com a tenacidade de quem vai em direção a uma meta segura.

"Portanto, pela proximidade do Jubileu da Misericórdia, dirijo um chamado às paróquias, às comunidades religiosas, aos monastérios e aos santuários de toda a Europa para que expressem que o Evangelho é concreto e acolham uma família de refugiados. Um gesto concreto em preparação para o Ano Santo da Misericórdia. Cada paróquia, cada comunidade religiosa, cada monastério, cada santuário da Europa hospede uma família, começando pela minha diocese de Roma”, declara o Papa.

Ele relembrou, ademais, que, nestes dias, os bispos da Venezuela e da Colômbia se reuniram para examinarem juntos a "dolorosa” situação que se criou na fronteira entre ambos os países.

"Vejo nesse encontro um claro sinal de esperança. Convido a todos, em particular os amados povos venezuelano e colombiano, a rezarem para que, com um espírito de fraternidade e solidariedade, possam superar as atuais dificuldades”.






Encontro reunirá universitários cristãos



"Este é mais um passo no trabalho da ação evangelizadora da Igreja no Brasil junto às universidades. Trata-se de um encontro brasileiro de universitários cristãos para partilhar experiências dos projetos em desenvolvimento no ambiente universitário em vista da evangelização”, comenta o bispo auxiliar de Belo Horizonte, Estado de Minas Gerais, Dom João Justino de Medeiros Silva, presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Cultura e Educação.

Ele fala sobre a realização do 

III Encontro Brasileiro de Universitários Cristãos (Ebruc) e do III Fórum Brasileiro de Cultura. 



Os eventos acontecem de 10 a 12 de Outubro próximo, em Colatina, Estado do Espírito Santo, e irão promover o diálogo e o intercâmbio de experiências.

No caso do Ebruc, as diferentes Pastorais Universitárias refletirão sobre a sua missão na sociedade. E o Fórum, com os projetos culturais nos níveis local, regional e nacional, buscará parcerias entre os diversos atores sociais e as políticas públicas e a Igreja.

O Fórum Brasileiro de Cultura também tem o objetivo de criar um ambiente permanente de diálogo voltado para pessoas, grupos e instituições envolvidos na área cultural.

"O Ebruc quer articular esses jovens que, por causa da fé, dão um belo testemunho dentro da universidade, podendo levar através deles em outros espaços universitários do país, essa mesma ação”, pontua o bispo. 

Os encontros são organizados pela Comissão Episcopal Pastoral para a Cultura e a Educação da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

Universidade e sociedade

Em sua terceira edição, o Ebruc fará uma reflexão do tema: "Universidade e sociedade”. Neste contexto, professores universitários, agentes e coordenadores da Pastoral Universitária, acadêmicos, movimentos e comunidades que atuam no meio universitário, paróquias universitárias e pessoas interessadas poderão, por meio do diálogo e do intercâmbio, articular as experiências e iniciativas da ação evangelizadora na Universidade. 

O encontro também visa ao contato e à articulação com os colaboradores da Comissão, do governo e da Igreja.


As atividades do Ebruc iniciam no sábado, dia 10 de Outubro, e seguem até o domingo. No dia 12, Dia de Nossa Senhora Aparecida, os trabalhos serão integrados ao Fórum Brasileiro de Cultura com programação específica.




Cidade na França só quer receber refugiados cristãos - Por Leiliane Roberta Lopes


A França recebe muitos refugiados vindos do Oriente Médio, mas algumas cidades estão querendo escolher quem receberá abrigo de acordo com a religião, o que tem gerado muita polêmica no país.

Uma das cidades é Charvieu-Chavagneux, localizada ao leste da França, cujo conselho municipal determinou que só receberá cristãos. E a explicação mostra receio em relação aos muçulmanos: “Os cristãos não colocam em perigo a segurança dos demais”, disseram os vereadores da cidade.

“Os cristãos não atacam trens armados com kalachnikovs, não matam jornalistas nem decapitam seu chefe, como vimos a alguns quilômetros de nosso município”, afirmaram citando os crimes que aconteceram no começo do ano na França como o ataque à redação da revista Charlie Hebdo.

Outras duas cidades também afirmaram que irão escolher os refugiados em função da religião, declarações que já foram criticadas pelo governo, já que a França se comprometeu a abrigar 24 mil refugiados. Com informações Rede Bandeirantes de televisão.





Deputados evangélicos estão na campanha pelo Impeachment - Por Jarbas Aragão


Quando milhões de pessoas vão às ruas clamar por mudanças, uma minoria dos políticos parece escutar. Afinal, eles são os alvos da maioria dessas reclamações.

Porém, mais de 50 deputados e senadores de diferentes partidos, tanto da base do governo quanto da oposição lançaram o “Movimento Parlamentar Pró-Impeachment” de Dilma Rousseff.

O ato realizado na quinta (10/09), no Salão Verde da Câmara contou com a presença de membros da Bancada Evangélica. O deputado Sóstenes Cavalcante (PSD-RJ), declarou ao Gospel Prime

“Estamos num momento de crise política, moral e econômica e a junção de todas essas crises nos fazem entender que precisamos de um governo que nos dê respostas. O Governo do PT é ao contrário, as respostas são imprecisas e lentas”.

Para o parlamentar, o Brasil não vai suportar mais 3 anos desse “desgoverno” e “não resta outra alternativa senão apoiar o impeachment”. Só assim, reitera, será possível “salvarmos o Brasil do caos”.

Além de Sóstenes, marcaram presença Fábio Souza (PSDB/GO), Ezequiel Teixeira (SD/RJ) e o presidente da Bancada Evangélica João Campos (PSDB-GO). Alguns funcionários dos gabinetes que estavam presentes exibiam “Pixulecos”, bonecos infláveis do ex-presidente Lula com roupa de presidiário, e balões pretos com referências à Operação Lava-Jato.

O local escolhido para o evento foi o mesmo onde pedido de impeachment de Collor foi apresentado e aceito pelos deputados em 1992. Para que o processo de impeachment seja aberto são necessários os votos de 342 deputados.

O movimento lançou um site para coletar assinaturas em defesa do impeachment (www.proimpeachment.com.br).

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB/RJ) que é membro da bancada evangélica e até recentemente liderava um movimento contra Dilma não estava presente. Ele tem se mantido longe dos holofotes enquanto prepara sua defesa para uma série de acusações contra ele feitas por pessoas ligadas ao PT e investigadas na Lava-Jato.

Embora para muitos cristãos possa parecer errado se opor a um governante, teólogos defendem que é essa é uma questão legítima.