quinta-feira, 24 de março de 2016

Religião e sexo: a nova igreja que apoia transar por prazer


Padre Beto, excomungado da igreja Católica em 2014, não pratica a castidade e é categórico em afirmar que o maior prazer humano é o sexo e não tem nada melhor do que ter um orgasmo.

E foi este tipo de transparência e franqueza a respeito de assuntos considerados tabus pela instituição, assim como a homossexualidade, que o fizeram ser destituído de sua função sacerdotal.

Desde então, Beto decidiu continuar o título de padre e fundou sua própria religião, chamada de Humanidade Livre, onde a primeira missa foi celebrada em 2015. 

“Acreditamos em Jesus Cristo, rezamos apenas com o evangelho e deixamos para trás assuntos como a vida após a morte e preceitos impostos pela igreja”, afirma o sacerdote. O mais revigorante, segundo ele, é poder estar perto de todas as pessoas, independentemente da raça, sexualidade e crenças. 

“Em média, recebemos 120 pessoas por domingo. Entre elas, temos casais hétero e homossexuais, solteiros, divorciados, jovens, travestis (embora elas ainda tenham receio de estar em um ambiente religioso) e também idosos”, conta. “Conseguimos acolher todos que a Igreja, de certa forma, não aceita”.

O religioso ainda esclarece que segue fazendo rituais da Igreja Católica porque a excomunhão é “apenas” um banimento e ele permanece sendo um sacerdote. “Sou um padre maldito para a Igreja e estou condenado ao inferno. Independentemente disso, criei minha própria religião e exerço minha vocação”.






Vice-presidente da CE diz que extremistas não falam por uma religião inteira


A vice-presidente da Comissão Europeia, Kristalina Georgieva, disse na quarta-feira (32/03) que os extremistas religiosos que cometeram os atentados de ontem em Bruxelas, que deixaram 31 mortos e mais de 200 feridos, não falam por toda uma religião.

"Há muito trabalho por fazer, mas não significa que a vida pare. Viveremos, amaremos, trabalharemos, nos divertiremos e continuaremos sendo abertos e tolerantes. Entendendo que os extremistas religiosos não falam por uma religião inteira e que muitos dos que buscam refúgio na Europa escapam dos mesmos extremistas que nos feriram ontem em Bruxelas", disse ela em entrevista coletiva.


"Estes são momentos de prova, de permanecer junto, de ter compaixão, contra o ódio e o extremismo, contra os que destruíram tantas vidas", acrescentou.




Quaresma - Por Khryst Serpa e Ludimila Mendonça



Trata-se de período de proibições relativas à matéria e reflexão acerca do espírito. 

A igreja católica estabeleceu entre um de seus ritos, a quaresma, um período que se estende desde a quarta de cinzas até a quinta feira santa. A parte boa é que se você foi um digno folião católico e desandou no carnaval, dá para recuperar o corpo nesse período, de todo o abuso alcoólico e o desgaste da folia. Mas é óbvio que a preocupação da igreja está ligada a uma purificação espiritual

Trata-se de um período de proibições relativas à matéria e reflexão a cerca do espírito com o intuito de se preparar para a acolhida de Cristo. A quaresma é uma referência aos 40 dias de reflexão, tentação e provações que Cristo passou no deserto.

A quaresma então é dividida em duas práticas de jejuar: O jejum externo, relacionado a matéria e ao corpo; o jejum interno, espiritual que se trata de um momento dedicado a orações e a contemplação do mistério divino e reflexões sobre si em relação ao Deus cristão e a vida pregada pela bíblia.

Muito se comenta sobre a orientação de não consumir carne vermelha nesse período. Mas tem que se lembrar que as pregações e termos ligados a religião muitas vezes são simbólicos. A questão de não comer carne inicia-se com a ideia de não sucumbir ao prazer dos prazeres corpóreos.

A crítica que a igreja católica faz ao modo que caminha a sociedade em defesa das práticas quaresmais é que vivemos tempo de hedonismo. Ou seja, a igreja acusa que as pessoas têm se preocupado apenas com seu próprio prazer imediato. Por isso propõe esse período que estabelece proibições relativas abstinência de algumas comidas, bebidas e outras diversões como a música, as festas e os jogos de azar.

A teologia da libertação apresenta uma explicação sobre um significado mais profundo da quaresma, que vai além da penitência como um ato vazio e sistemático e mesmo o porquê da necessidade de comparecer nesses dias as celebrações religiosas. 

“Os exercícios quaresmais podem tornar-se fontes para reflexão sobre o sentido cristão da oração, do jejum e da esmola. Além disso, o estímulo à participação na piedade popular (procissões, vias-sacras, sermão do descendimento, sermão das sete palavras) pode motivar conversas posteriores sobre o significado destas práticas e o seu valor e potencial evangelizador”.

Muitos membros da igreja criticam o fato de que essa prática ter ficado restrito a meros formalismos e não mais a evolução espiritual. A ideia era alinhar a religião a prática diária de humildade, generosidade e solidariedade. Afinal deixar de comer carne não torna a religião lá muito útil socialmente, a prática solidária é bem mais impactante.

Aqui vai uma lista do que a igreja católica recomenda nesse período:

Práticas corporais, ou externas
  • Comer menos das comidas que você mais gosta e mais daquelas que não gosta
  • Não comer nada entre as refeições
  • Não utilizar condimentos na comida
  • Não utilizar adoçantes nas bebidas
  • Evitar escutar música na rádio todo o dia
  • Evitar a televisão e os vídeos; em vez disso, ler a Paixão de Cristo na Bíblia ou Missal
  • Rezar um rosário extra.

Praticas espirituais, ou internas
  • Não conversar mais do necessário; em vez disso, faça algumas pequenas jaculatórias em todo o dia.
  • Exercitar a paciência em todas as coisas
  • Não fazer nenhuma queixa
  • Controlar a ira; em vez disso, sugere-se sair ao encontro da pessoa que provocou a irritação.
  • Evitar a intriga.
  • Quando alguém lhe pedir que faça algo extra faça-o com alegria e boa disposição.
  • Evite utilizar o telefone
  • Sempre fale a verdade em todas as circunstâncias de sua vida
  • Evitar a vaidade e o egoísmo

Nos terreiros de Umbanda, a quarta-feira de cinzas costuma ser marcada por uma gira de pretos velhos, que vem da terra, trazer as cinzas que nos darão a redenção dos atos pecaminosos praticados no Carnaval, e afastar os espíritos obsessores, que se aproximam durante as festividades de do Rei Momo. 

No Candomblé, para serem aceitos pelas comunidades locais, antigos zeladores entravam para as Irmandades Leigas, e seguiam seus preceitos e ritos. Desta forma, introduziram dentro do Candomblé o ato de resguardar a Quaresma, neste período as casas de atendimento ficam fechadas. 

Em algumas casas de Angola, Jejê e Kêtu, elas permanecem fechadas neste período por acreditarem que os santos estão “dormindo”, ou seja, afastados da Terra e que só Exú responde e governa nesta época. No Sábado de Aleluia, o toque sagrado do Adarrun invoca os orixás de volta à Terra.