terça-feira, 22 de dezembro de 2015

A história da Salvação na perspectiva da Teologia de Karl Rahner – Por José Ivan Lopes



Uma nova forma de se entender a história da salvação encontra ressonância no pensamento do teólogo Karl Ranher. 

Ela passa a ser vista como “coexistente” a toda história da humanidade. Todavia, não há duas histórias: uma salvífica e a outra profana, que adotam caminhos opostos e sem nenhum tipo de relação ou nexo. 

A questão específica de uma teologia das religiões não é se a salvação é possível para os infiéis ou mesmo para os não-cristãos. Ora, este é um problema que sempre acompanhou a reflexão teológica e ao qual a teologia comumente respondeu em sentido afirmativo, sustentando, de um lado, a necessidade de se pertencer à Igreja para se conseguir a salvação; mas, de outro lado, admitindo, por força da vontade salvífica universal, a possibilidade de um votumfidei, ou votumecclesiae, ou ainda votumveritatis, cada vez mais dilatado e interpretado, que representava, se não um caminho, pelo menos uma passagem para a salvação para os não-cristãos.

O axioma “fora da Igreja não há salvação” servia de contrapeso ao axioma teológico que aquele que faz tudo aquilo que está em seu poder, Deus não nega a graça. Rahner lembra que essa questão se refere a uma elaboração teológica quase que em termos mitológicos, uma vez que defende a tese de que a graça ocorre somente no momento em que a pregação do Evangelho atinge o ouvinte.

O tema próprio de uma teologia das religiões não é, pois, a possibilidade da salvação para cada pessoa que, embora não professando a fé cristã, vive uma vida honesta e moral, e sim o significado humano e o valor salvífico das religiões enquanto tal.

A compreensão do pensamento teológico de Rahner passa obrigatoriamente pela leitura dos escritos do eminente teólogo Heinz Robert Schlette, considerado o precursor de uma das primeiras tentativas de sistematizar e apresentar o problema da teologia das religiões, presente em sua obra: As religiões como tema da teologia (1963), reconhecendo que “aqui nos encontramos diante de um terreno dogmaticamente nove, comparável às zonas em branco dos antigos atlas”. 
Religiões cria o seu estatuto em meados dos anos 60, com a colaboração, sobretudo, dos teólogos Karl Rahner e Heinz Robert Schlette. Destacamos evidentemente a contribuição do primeiro teólogo em questão.

Em uma conferência, na Baviera, em 1961, tratando do tema: Cristianismo e religiões não-cristãs, que foi publicada no volume V dos Escritos teológicos (1962), Hahner formulou a tese dos “cristãos anônimos”.

Naquela ocasião, ele afirmou que a vontade salvífica universal de Deus em Cristo oferece a salvação a todos os seres humanos. Para tanto, defende a teoria de que a graça pode alcançar os seres humanos, não obstante em casos em de estarem distantes da Igreja cristã, e os alcança na concretude de sua vida humana e religiosa, e, portanto, não importa as religiões, mas a graça ocorre por meio das religiões. Em outras palavras, as religiões não-cristãs inserem-se na “Providência salvífica de Deus”.





São Paulo recebe o 24º Congresso Interamericano de Educação Católica



A Confederação Interamericana de Educação Católica realizará seu Congresso trienal em São Paulo, Brasil. É a 24ª edição do Congresso Interamericano de Educação Católica, que acontecerá de 13 a 15 de Janeiro de 2016.

Segundo a justificativa do Congresso, o mundo vive, hoje, uma "verdadeira mudança de era, uma ‘transcendental mudança de paradigma’, que afeta o mundo em seu conjunto, a economia, a política e as culturas”.

Mudança de época caracterizada por uma série de transformações. O que, até o presente, vinha ocorrendo e funcionando de maneira instável, já não é mais, e o que está emergindo não se vê ainda com clareza para onde se dirige.

"Que futuro avistamos? Em que outro mundo possível apostamos? É nesta realidade e para ela em que deve ser proposta a educação inspirada no Evangelho e ser uma resposta pertinente para ela”, assinalam os organizadores.

Nessa nova realidade, a Escola Católica da América, com suas numerosas instituições educacionais, deve oferecer uma contribuição relevante à igreja, no caminho inaugurado pelo Papa Francisco.

Como motivo do 50º aniversário da Declaração Gravissimum Educationis, em 2015; os desafios propostos pelo instrumento laboris "Educar hoje e amanhã. Uma paixão que se renova”; e, a partir da reflexão feita na América pelos chefes de Estado, que fazem parte da OEI [Organização de Estados Iberoamericanos], através "das Metas 2021”; e dos bispos do Celam [Conselho Episcopal Latino-Americano], através do documento "Vão e ensinem”, o Congresso se propõe a redefinir o papel da Escola Católica para o século XXI, respondendo aos desafios que a realidade do continente apresenta.






Mar Elias Educational Institutions” a se tornar a primeira “HWPL Peace Academy”


Enquanto o mundo, especialmente os países do Oriente Médio, está cheio de agravos e fúria devido à violência armada perpetrada por terroristas.

Enquanto o mundo, especialmente os países do Oriente Médio, está cheio de agravos e fúria devido à violência armada perpetrada por terroristas, uma onda de antecipação encheu as “Mar Elias Educational Institutions” de mais de 3.000 alunos e professores na quarta-feira, 2 de dezembro. 

As instituições foram designadas, pela primeira vez na história, como as Academias de Paz da “Heavenly Culture, World Peace, Restoration of Light” (HWPL). HWPL é uma organização internacional sem fins lucrativos registrada sob Departamento de Informação da ONU.

Três vezes candidato do Prêmio Nobel da Paz e ex-arcebispo da Igreja Católica Melquita, Arcebispo emérito Elias Chacour é o fundador e diretor da “Mar Elias Educational Institutions” (MEEI) localizadas em Ibillin, uma aldeia árabe no distrito do norte de Israel. 

P. Chacour, um ativo Embaixador de Publicidade da HWPL, tem cooperado para estabelecer “HWPL World Alliance of Religions Peace Office” (HWPL WARP Office) em Israel, e uniu os estudantes de segundo grau da MEEI com “International Peace Youth Group” (IPYG), divisão dos jovens da HWPL.

MEEI consiste de alunos e professores de várias religiões como o cristianismo, judaísmo, islão eheritage drusos. P. Chacour estendeu seu esforço para construir escolas para educar crianças de todas as origens étnicas e religiosas nos caminhos da paz, reconciliação, respeito e justiça. Seus esforços louváveis para promover a paz entre os jovens levaram ao reconhecimento honrosa da MEEI,tornando-se a primeira “HWPL Peace Academy”.

Sr. Man Hee Lee, Mensageiro de Paz de renome mundial bem como o fundador e presidente da HWPL, e presidente da “International Women’s Peace Group” (IWPG), Sra Nam Hee Kim, se encontraram com o P. Chacour, alunos da MEEI e líderes religiosos. 

Presidente Lee servirá como diretor honorário, e Presidente Kim, como vice-diretora da MEEI. Os dois presidentes têm prosseguido incansavelmente a obra de paz que transcende fronteiras, etnias e religiões; e que capacita uma nova geração de líderes a serem proponentes ativos da paz mundial.

Presidente Lee enfatizou sobre a importância da educação no estabelecimento da paz: “A paz é algo que floresce a partir dos corações de cada indivíduo e pode ser alcançada através das mudanças de percepção a partir de educação adequada. Quando aceitarmos a palavra 'PAZ' e quando as crianças forem intimamente familiarizadas com esse termo através de currículos escolares, o mundo onde cada indivíduo pode viver pacificamente será realizado mais rápido do que nunca".

Na cerimônia de designação, Presidente Kim apelou aos estudantes: “IWPG tem dedicado em proporcionar educação sobre a paz, e tem colaborado adicionalmente com a HWPL para garantir queessa educação seja incorporada no currículo em cada instituto. Pessoas em todos os setores da sociedade e ONGs que promovem a paz juntamente com as escolas precisam colaborar com HWPL profissionalmente para ensinar os nossos jovens sobre a obra de paz. Por favor, tenham orgulho em ser parte da primeira designada “HWPL Peace Academy”. Quero parabenizá-los sinceramente”.

O estabelecimento da “HWPL Peace Adecamy” através da MEEI em Israel servirá como um programa abrangente que proporciona um modelo educacional na análise de conflitos inter-religioso e resolução; sessões de diálogo inter-religioso de paz, e aliança das religiões através da “HWPL World Alliance of Religions Peace Office” (HWPL WARP Office). 

HWPL trabalhará para criar programas e cursos para aumentar a capacidade de pacificação de indivíduos e organizações de várias religiões através das reuniões e conferências da “HWPL WARP Office”; e destacará os mais recentes esforços de pacificação da HWPL.