segunda-feira, 13 de junho de 2016

Evento inter-religioso pede a governos e países que cuidem do meio ambiente – Por Alana Gandra


O Aterro do Flamengo foi palco no dia 12/06 de um evento inter-religioso, aberto ao público, o Sacred Earth 2016, que integra uma ação global em prol do clima, adotada por cerca de 40 países e mais de 130 grandes cidades, entre as quais o Rio de Janeiro e São Paulo, no Brasil.

Segundo o teólogo Clemir Fernandes, coordenador institucional do Instituto de Estudos da Religião (Iser), um dos organizadores do evento, a iniciativa reúne ambientalistas e religiosos para lembrar os seis meses da assinatura do Acordo de Paris contra alterações climáticas, em dezembro do ano passado, e conscientizar os governos de que o acordo precisa de legislações locais para ter sentido de fato.

“Não basta assinar um acordo em Paris se isso não é efetivado com políticas nacionais. É um empenho de lembrar o que aconteceu e os seis meses que faltam para a vigésima segunda sessão da Conferência das Partes (COP 22), da Organização das Nações Unidas (ONU), no Marrocos, em novembro deste ano”, informou o teólogo. 

O evento mostra a urgência de ratificação do Acordo de Paris, que só entrará em vigor quando for assinado por um total de países que representem pelo menos 55% das emissões globais dos gases de efeito estufa.

O Sacred Earth lembra o Dia Mundial do Meio Ambiente, comemorado no último dia 5, e o aniversário de um ano do lançamento da encíclica Laudato Sí, do Papa Francisco, primeira da história da Igreja Católica a falar sobre meio ambiente. Esse conjunto de fatos mobilizou religiosos e não religiosos a promover o evento deste domingo, disse Fernandes.

“O objetivo é mobilizar a sociedade para essa temática do clima. A luta é para que a temperatura do planeta não aumente mais de 1,5 grau Celsius até 2050”.

Fernandes salientou que o objetivo é que governos, empresas e países possam se mobilizar em torno de uma agenda que construa, de modo efetivo, a possibilidade de a temperatura não aumentar dois graus, porque isso comprometeria a vida de todas as espécies animais e das pessoas mais pobres. Foi feito também um apelo pela ratificação do Acordo de Paris pelo Congresso Nacional, que se repetirá antes da COP 22, em novembro.

O secretário-executivo regional da Federação Universal dos Movimentos Estudantis Cristãos da América Latina e Caribe (Fumec ALC), Marcelo Leites, protestante, disse haver muita relação entre o meio ambiente e o cuidado da “casa comum”, como muitos religiosos chamam a natureza, no sentido ético, moral, porque o mandato comum que as religiões têm eventualmente pode diferir entre si na decisão de como fazer determinada coisa ou de como religar os homens com Deus.


O sacerdote da Casa do Perdão, André Meireles, destacou que, como a religião espírita umbandista tem uma ligação estreita com o meio ambiente, porque recebe ensinamentos dos ancestrais indígenas e africanos, “por si só a vida deles já nos ensina o respeito à natureza”.

 A entidade participa há sete anos do Movimento Umbanda do Amanhã (Muda) e, com outros terreiros, desenvolve atividades anuais de mutirão de limpeza de cachoeiras e parques.




Câmara Municipal de Taboão realiza Fórum de Liberdade Religiosa


Na noite de segunda-feira, dia 06/06, o vereador André da Sorriso recebeu líderes religiosos na Câmara Municipal de Taboão da Serra para a 92ª edição do Fórum Paulista de Liberdade Religiosa e Cidadania. 

Mais de 80 pessoas compareceram ao evento mesmo com a forte chuva que atingiu a região.

Foram recebidos representantes de algumas religiões como Adventistas, Católicos, Umbandistas, Budistas e representantes de outras igrejas evangélicas. Debates sobre a liberdade religiosa e o papel que cada cidadão têm para que este direito seja garantido foram feitos durante todo o evento.

Estavam presentes o Diretor de liberdade religiosa e assessor jurídico da Igreja Adventista do Estrado de São Paulo, Dr. Alcides Coimbra, Diego Barreto, que é diretor da divisão de liberdade religiosa da região sul da Igreja Adventista, Pai José Siqueira, representando a Umbanda, Pedro Francisco dos Santos, do Budismo e o Monsenhor Aguinaldo do Santuário Santa Terezinha representando os católicos. Tornando o evento ainda mais bonito, vários jovens e adolescentes do grupo de “Desbravadores” da igreja Adventista participaram do evento.

“Estou em Taboão da Serra há 53 anos. É a primeira vez que vejo uma reunião de pessoas de religiões diferentes falando sobre liberdade religiosa. Acredito que Deus é um só, e tanto os sacerdotes da Umbanda, quanto os pastores evangélicos tem um único objetivo, levar as pessoas que nos procuram a ficarem mais próximas ao Pai”, disse Pai José Siqueira.

“O Budismo tem como princípio o respeito da divindade da vida humana e a liberdade religiosa, assim, respeita todas as crenças religiosas e procura diálogo entre elas, enfatizando a compreensão mutua entre diversos seguimentos religiosos para uma sociedade mais harmoniosa e humanitária”, explicou Pedro Francisco dos Santos.

O Dr. Alcides Coimbra parabenizou o vereador Dr. André da Sorriso por suas iniciativas em prol da liberdade religiosa em Taboão da Serra, destacando as leis do dia do adventistas, do abono de faltas escolares, dia da liberdade religiosa, e  lei da não realização de concursos públicos aos sábados na cidade.  

“Nós representamos 25% da população do mundo que vive em um país com liberdade religiosa, e esquecemos que os outros 75%, não vivem assim. Precisamos lutar pela liberdade religiosa e estar atentos para erguer a nossa voz em protesto e ter debates como este, pela conscientização”, discursou.

O prefeito Fernando Fernandes também esteve presente no Fórum. “A religião é um braço cultural, e o Brasil tem uma diversidade cultural muito grande, então nós temos braços culturais de várias manifestações religiosas na nossa cultura, como a Umbanda que foi trazida pelos africanos, e nos falta sabedoria pra aceitar esses braços culturais e é isso o que acontece em debates como este”, disse.

O vereador agradeceu a presença de todos e falou sobre a causa da liberdade religiosa. “Essa questão de liberdade religiosa vai de encontro com a liberdade do cidadão que está na Constituição. Temos que orar e vigiar para que nossos diretos sejam respeitados, então como está na bíblia temos que orar e vigiar”, ressaltou.

Reconhecimento

Ao final do Fórum, Dr. André recebeu homenagem da Igreja Adventista. “Foi uma grande honra ser agraciado, foi uma surpresa muito boa. Nossa luta pela Liberdade Religiosa continuará sempre e precisamos que mais lideranças aqui em Taboão da Serra e em outras cidades abracem essa causa”, concluiu.