quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Lisboa vai receber primeiro templo mórmon de Portugal


Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias vai ter campanário de 43 metros e terá parque de estacionamento com 117 lugares.

Lisboa vai receber o primeiro templo mórmon em Portugal, a construir no Parque das Nações, com um campanário de 43 metros de altura, cerca de 2.000 m2 de área e em betão armado à prova de sismo.

A cerimónia de lançamento da primeira pedra da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias vai decorrer no sábado, sendo também apresentado, nesse dia, o "projeto de forma mais detalhada aos fiéis da Igreja e à comunidade em geral", disse à Lusa fonte da Igreja mórmon.

Numa nota escrita, a mesma fonte adiantou que a área de implantação do templo será de dois hectares, jardins incluídos, que o templo não vai exceder os 2.300 m2 e que terá um parque de estacionamento com 117 lugares.

"O edifício do templo será construído em betão armado, à prova de sismo, e terá uma cobertura de pedra calcária em todo o exterior. Terá vitrais nas janelas. O campanário terá uma altura de 43 metros, já com a estátua do anjo Moróni no local", acrescentou.

Aquela estátua é usada em quase todos os templos e é a representação da pregação do evangelho por um antigo profeta do Livro de Mórmon (conjunto de escrituras usadas pelos Mórmons, a par da Bíblia).

A fonte disse ainda que o "interior terá chão em mosaico, pedra e carpete, as portas e respetivos umbrais serão trabalhados em termos de carpintaria, os corrimões serão em bronze e algumas das paredes serão pintadas".

Questionado sobre os valores previstos para a construção do templo, a fonte escusou-se a responder, alegando "não ter acesso a essa informação". A construção do templo vai demorar entre dois a três anos e, depois de inaugurado, vai estar aberto ao público em geral durante umas semanas para permitir visitas feitas por guias para explicar o propósito de cada sala e dependência.

Após essas "semanas abertas", "o templo é então 'dedicado' e, a partir dessa data, apenas membros da Igreja poderão entrar", indicou a fonte. O crescimento de fiéis da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias motivou a construção do templo, uma vez que, "assim que a Igreja tem uma relativa dimensão num determinado país, é construído um templo".

Segundo a mesma fonte, existem atualmente 42 mil membros em Portugal e o templo mais perto que têm é em Madrid, Espanha. "Ter um templo em Portugal irá dar aos fiéis a oportunidade de casar e realizar ordenanças sem ter de incorrer em viagens longas e dispendiosas para outros países", frisou.

A cerimónia de sábado é reservada a convidados, "podendo o público em geral assistir aos procedimentos em direto a partir das capelas locais (reservadas para as reuniões dominicais, ensino religioso e atividades recreativas ou sociais)", através da televisão.

O templo da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias vai ser construído na zona norte do Parque das Nações, próximo do mercado de Moscavide.






Seminário Cultura de Paz, Educação e Espiritualidade discute pedagogia da tolerância



Num mundo em que as notícias de conflitos e agressões povoam a maior parte dos noticiários, discutir ações concretas que possam contribuir para a construção de uma sociedade mais justa e pacífica é cada vez mais imperativo.

É o que busca o VI Seminário Cultura de Paz, Educação e Espiritualidade, organizado pelo Grupo de Pesquisa ‘Cultura de Paz, Juventudes e Docentes’, da Universidade Federal do Ceará (UFC), nos próximos dias 02, 03 e 04 de Dezembro.

Esta edição contará ainda com a palestra da professora Ana Maria Freire, sobre o tema: "Cultura de paz e pedagogia da tolerância”, que ocorre no dia 02 de Dezembro, das 8h às 12h.

O seminário vai reunir também especialistas e pesquisadores de várias partes do país, além de apresentações culturais e o lançamento de publicações a respeito da ‘Cultura de Paz’.

Escolas públicas da capital, Fortaleza, e do Interior do Estado apresentarão suas experiências de combate à violência e de como se tornaram referências na construção de uma sociedade mais justa.

"No mundo, em que a maior parte das pessoas está focando na questão da violência e da desesperança, é muito importante que nós possamos fazer algo pela paz. Mas uma paz que pense a justiça social, uma paz ativa, em que possamos estar presentes, nos mobilizar”, explica a organizadora, professora Kelma Matos, da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Ceará.

É a sexta edição do evento, que vai receber a viúva de um dos mais renomados estudiosos latino-americanos em Educação, o brasileiro Paulo Freire. Ana Maria Freire, ou Nita Freire, como é conhecida, vai trazer a temática da "pedagogia da tolerância”. "A sociedade precisa crer que é possível construir e praticar a paz no cotidiano”, reforça Kelma.

Nita Freire é pedagoga e escritora, autora dos livros "Analfabetismo no Brasil, Paulo Freire: uma história de vida” e "Nita e Paulo: crônicas de amor”. A professora dedica-se, atualmente, a organizar, publicar e divulgar a obra de Paulo Freire, como sucessora legal do educador.

Outro destaque é a palestra do professor Carlos Sebastião Adriani. Ele é referência no estudo dos valores humanos na educação, de acordo com os princípios do indiano Santhya Sai Baba.

Além das palestras e apresentações de professores e alunos das escolas, o seminário reúne teatro de bonecos, oficinas, contação de histórias e musicoterapia. Qualquer pessoa pode se inscrever e acompanhar o evento no site da Internet: www.ufcculturadepaz.webnode.com.br/.

Serviço

Local: 
Auditório Valnir Chagas da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Ceará - Rua Marechal Deodoro, 750 - Benfica, Fortaleza - CE

Data: 
02, 03 e 04 de dezembro de 2015

Horário: 
8h às 17h


Inscrições:
www.ufcculturadepaz.webnode.com.br



Justiça inclui humanismo no ensino religioso do Reino Unido – Por Paulo Lopes



O Supremo Tribunal da Grã-Bretanha determinou a Nicky Morgan, ministra de Educação, que inclua o humanismo na disciplina estudos religiosos das escolas de nível médio.

De acordo com o novo currículo anunciado pelo governo no início do ano, essa disciplina tem como foco o cristianismo, catolicismo, islamismo, hinduísmo, judaísmo e sikhismo. Com ajuda da Associação Britânica Humanista, três famílias recorreram à Justiça com o argumento de que a decisão de Morgan não atende à pluralidade da sociedade.

No entendimento da Justiça, Morgan errou ao estabelecer que os estudos religiosos, pela nova orientação, cumpria na “totalidade” o dever do Estado a propósito da formação dos estudantes sobre esses temas. A Justiça sentenciou que o todo da compreensão das religiões só poderá alcançado abordando-se também o ponto de vista não religioso.

Andrew Copson, diretor executivo da Associação Humanista, afirmou que está ansioso para colaborar com a fiscalização das autoridades de modo que a determinação judicial seja cumprida. No Brasil, de modo geral, o ensino religioso, ainda que facultativo, é uma espécie de proselitismo católico.