terça-feira, 1 de setembro de 2015

Seicho-No-Ie promove em outubro Seminário da Luz, em Santos – Por Eduardo Velozo Fuccia



A Seicho-No-Ie (SNI) promove no dia 4 de outubro, às 13h30, no Mendes Convention Center, em Santos, o Seminário da Luz. 

O evento, que acontece a cada dois anos, é o mais importante promovido pela filosofia religiosa em âmbito regional, conforme explica o preletor e diretor da SNI no Brasil, Jairo Oliveira Santana. 

Dirigido principalmente a quem ainda não conhece a SNI, independentemente da religião, o Seminário da Luz terá como orientadora a preletora da Sede Internacional, Marie Murakami, e abordará os seguintes temas: Você é o Senhor do próprio Destino, Caminho para obter a Provisão Infinita e A Harmonia Familiar é Chave do Sucesso.

Porém, conforme ressalta Santana, o ponto alto do evento está reservado para o final, quando será realizada a prática denominada Oração de Cura. “Após ser explanado o poder da oração nas palestras, será feita a Meditação Shinsokan de Oração Mútua, na qual os participantes oram uns para os outros e os resultados são maravilhosos”.

No seminário serão abordados diversos temas, voltados especialmente à prosperidade e harmonia pessoal e familiar. Podem participar interessados de qualquer religião.

Mesma identidade

O Seminário da Luz é dirigido a pessoas de quaisquer credos religiosos, porque um dos três pilares da Seicho-No-Ie, cuja sede internacional fica no Japão, é o de que “na essência, todas as religiões se identificam”, conforme informa o supervisor doutrinário e administrativo da SNI em Santos e região, preletor José Rufino Júnior.

As demais bases são as de que “o homem é filho de Deus” e “o mundo por nós percebido pelos cinco sentidos é projeção da mente”, acrescenta Rufino. Segundo ele, interessados em participar do seminário devem obter informações pelo telefone 3232-6687 ou na sede regional da SNI (Rua Prof. Leonardo Roitman, 17, na Vila Mathias). O Mendes Convention Center fica na Av. Francisco Glicério, 206, Gonzaga, em Santos.



Deputados ligados à Igreja Mundial têm mandatos cassados por “abuso de poder religioso” - Por Tiago Chagas



Um deputado estadual e outro federal, ambos ligados à Igreja Mundial do Poder de Deus, tiveram seus mandatos cassados pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de Minas Gerais por “abuso de poder religioso”.

O missionário Márcio Santiago (PTB), sobrinho do apóstolo Valdemiro Santiago, foi eleito em 2014 com 76.551 votos. A ação na Justiça Eleitoral foi movida por um colega de partido, o ex-jogador Marques, que obteve 39.027 votos.

Marques ficou como primeiro suplente do partido na Assembleia Legislativa de Minas Gerais, e resolveu mover a ação contra o missionário porque ele teria usado a estrutura da Igreja Mundial do Poder de Deus para obter votos.

De acordo com o ex-jogador do Corinthians e Atlético-MG, Santiago teria participado de um evento da Igreja Mundial do Poder de Deus em Belo Horizonte (MG) às vésperas da eleição. Na mesma ação, o deputado federal Franklin Roberto de Lima Souza (do PTdoB) também teve seu mandato cassado, pois também participou do culto e subiu ao palco a convite do apóstolo Valdemiro.

Segundo informações do Uol, o evento reuniu 25 mil fiéis, contou com shows e transporte gratuito, tudo às custas da Igreja Mundial do Poder de Deus, que também bancou a divulgação, com anúncios em ônibus, redes sociais e no site da denominação.

Segundo os advogados de Marques, houve um “atrelamento de pedido de votos a crenças e práticas religiosas”, o que induziu o público a votar no missionário Márcio Santiago, tornando a disputa desigual.

Os magistrados responsáveis pelo julgamento disseram, na sentença, que “existem estudos recentes acerca de uma nova figura de abuso no direito eleitoral denominada de abuso de poder religioso”, e que os candidatos haviam se valido desse artifício.

“É inegável que os investigados Marcio Santiago e Franklin Souza foram os beneficiários do abuso econômico levado a efeito pelo apóstolo Valdemiro Santiago, na medida em que esse líder religioso que é, conclamou os fiéis a votarem nos candidatos de sua predileção, que se encontravam ao seu lado”, diz trecho da decisão.

Como ainda cabe recurso, os dois deputados cassados ainda podem recorrer ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O missionário Márcio Santiago negou que tenha cometido abusos e anunciou que recorrerá: 

“Apesar de respeitar a Justiça, considero um desrespeito aos meus eleitores a decisão de cassar o mandato que me confiaram”, disse em comunicado. O missionário acrescentou que compareceu ao culto como “um dos fiéis”, e que não foi lá pedir votos: 

“Não se tratava de um evento político. E, sim, de uma celebração religiosa. Não há como desconsiderar que muitos fiéis, pelo fato de me verem como um líder espiritual, podem ter manifestado individualmente sua opção política por mim”, afirmou, antes de se descrever como vítima de conspiração: 

“O juízo de valor que se faz acerca da minha presença neste evento ganha contornos discriminatórios, estigmatizantes e inaceitáveis em um estado democrático de direito”.





Documentário ‘O Excomungado’ leva prêmio nos EUA


O bauruense Alex Ferreira acaba de conquistar um prêmio inédito para o Brasil: o documentário: “O Excomungado” venceu o RNA 2015 Documentaries Contest, um dos concursos mais tradicionais e importantes dos Estados Unidos.

Nunca um brasileiro tinha ficado entre os dez finalistas deste prêmio, que está em sua 66ª edição. A premiação aconteceu sábado em Nova Iorque e, ainda fora do país, Alex não foi contatado pela reportagem do JC até o fechamento desta edição. 

O filme conta a história de Roberto Francisco Daniel, o padre Beto, excomungado pela Igreja Católica em 2013. O curta, que tem 30 minutos, foi filmado em Bauru, montado e sonorizado pela DocFilms, em Curitiba, produtora brasileira voltado ao mercado internacional. 

Tema relevante

O que chamou a atenção de Alex para a produção foi a repercussão mundial do caso do padre Beto e a relevância da religião nas discussões sobre a paz. “O tema é importante, pois remete à intolerância ou ao fundamentalismo religioso, que está presente em 10 dos dez conflitos de guerra no mundo hoje”, disse ao JC em entrevista em Julho. 

No site “Curta o curta” (curtaocurta.com.br), Alex contou que irá aproveitar a estadia nos EUA, para gravar cenas do seu próximo documentário, “As Vozes de Deus”, que tem o apoio institucional da IHEU, organização Britânica filiada à ONU, com 63 anos de atendimento à populações vítimas de conflitos religiosos no mundo.

Documentarista
 
Nascido em Bauru, Alex Ferreira tem 50 anos, é jornalista com vasta experiência em televisão e rádio no Brasil, na França e nos Estados Unidos, entre outros países. 

Durante seu mestrado em sociologia da arte pela Sorbonne, de Paris, estudou cinema e dramaturgia. Exclusivamente documentarista há cinco anos, foi semifinalista em Janeiro de outra premiação importante, o Screenwriters Lab 2015, com um roteiro de ficção para longa-metragem chamado Radio Heart.

O documentário está disponível no site: http://docs-films.com/portfolio-view/viagem-09.

Sobre o protagonista

Padre Beto fundou a Igreja Humanidade Livre, que segue a teologia da libertação e prega o amor sem preconceitos. Beto acredita que é possível levar a palavra de Deus através de uma reflexão aberta sobre a vida e a essência humana e com a Humanidade Livre, pretende apresentar uma nova maneira de vivenciar a religiosidade. 

Atualmente ele ministra aulas de filosofia no Centro Universitário da cidade e na Universidade Paulista (Unip), divulga seus livros como: “Verdades Proibidas” e “Jesus e a Sexualidade”, realiza casamentos gays e de divorciados, e celebra missas da Humanidade Livre todos os domingos em Bauru.






Etnia, religião e saúde


O Programa de Pós-Graduação Integrado em Saúde Coletiva (PPGISC) da UFPE promove o seminário:

“Interface entre saúde, religião, raça/etnia e política de saúde”

O evento acontece na sexta-feira (04/09), às 9h, no auditório do Núcleo de Saúde Pública e Desenvolvimento Social (Nusp), localizado no 4º andar do Hospital das Clínicas, Campus Recife.

O seminário é voltado a estudantes, professores e interessados no tema.

Não é necessário fazer inscrição para participar.

Local: 
Hospital das Clínicas da UFPE - Cidade Universitária - Recife


UF: 
Pernambuco



Crise política une libaneses de partidos e religiões diferentes – Por Tarik Saleh


A chamada crise do lixo é somente a ponta do iceberg da crise no Líbano. A campanha por uma solução ao problema da coleta de lixo se transformou recentemente em um amplo movimento contra a corrupção e o atual sistema político no país.

No último sábado (29/08), mais de 15 mil pessoas compareceram às manifestações anti-governo. Embora ainda um número pequeno, se comparado com o poder de mobilização dos partidos políticos, o movimento vem ganhando cada vez mais adesões e já inclui diferentes classes sociais de várias regiões do país.

O primeiro-ministro libanês, Tammam Salam, alertou a elite política que se os protestos continuarem a crescer, o governo poderá entrar em colapso, o que elevaria a insegurança e a crise no LíbanoO principal grupo organizador destes protestos é formado por jovens ativistas que iniciaram uma campanha nas redes sociais exigindo uma solução para a coleta de lixo, que inundou as ruas da região metropolitana de Beirute.

Eles são jovens, de classe média, profissionais liberais e universitários, uma nova geração de libaneses cansada com o que eles chamam de incompetência política e o sistema político feudal do Líbano, em que pais passam o poder aos filhos ou aliados.

União de opostos

O que mais chama a atenção neste movimento é a capacidade de reunir, como poucas vezes no país, cidadãos de grupos religiosos diversos, inclusive simpatizantes de partidos opostos. No Líbano, os partidos são divididos praticamente de acordo com as linhas sectárias e isso reflete nas instituições públicas e sociedade.

Mas cansados de negligência do governo, injustiça social e corrupção, pessoas de outros movimentos sociais, classes de trabalhadores, artistas, jornalistas, professores, e até mesmo políticos independentes se juntaram aos protestos para exigir reformas. Muitos manifestantes gritam a palavra revolução, mas até que ponto o objetivo é derrubar o sistema político atual? Quais são as reivindicações?

Os manifestantes gritam palavras de ordem contra o sistema político vigente, mas o cerne do movimento já declarou que seus objetivos principais são exigir serviços básicos como água, luz e coleta de lixo, combate à corrupção, empregos, um presidente eleito e novas eleições parlamentares.

Os organizadores se mostram conscientes que um colapso do governo seria prejudicial ao país, mas, ao mesmo tempo, eles exigem mudanças e não dão sinais de que recuarão. Vale lembrar, que o país enfrenta constantes cortes de energia que somadas podem chegar a 9 horas diárias. Há deficiência no fornecimento de água e, é claro, a coleta e a reciclagem de lixo é deficiente. Somado a isso, a corrupção afeta visivelmente o dia a dia dos cidadãos e muitos jovens libaneses emigram a outros países à procura de emprego e de uma vida melhor.

Classe política é protestos

Cada vez mais fica óbvio e latente o grande abismo entre a população em geral e a classe política. As declarações de parlamentares, ministros e outros mostra um certo senso de negação, de que não enxergam ou não querem enxergar os inúmeros problemas sociais que afligem o país.

No início, deram pouca importância aos protestos, amparados pelo sistema sectário e patronal no Líbano. Mas agora se sentem ameaçados e temem que um aumento das manifestações em proporções muito maiores poderia significar um fim ao seu monopólio político.

Outros políticos admitem os problemas, mas apenas apresentam discursos demagogos que só aumentam a ira dos manifestantes. Em debates nas emissoras libanesas, ativistas acusam os políticos não apenas de corrupção, mas também de incompetência e clara falta de habilidade para exercer seus cargos.

Há, agora, uma mobilização entre os partidos para chegarem a um consenso e elegerem o presidente do país e também resolver os problemas mais urgentes exigidos pelos manifestantes. Segundo analistas, os partidos esperam que ao atender a algumas das reinvindicações, o movimento antigoverno perca folêgo.






Congresso recorda fundador de Taizé – Por Juliana Batista


A Comunidade Ecuménica de Taizé (França) está a realizar um congresso internacional sobre o contributo do irmão Roger, seu fundador, para o pensamento teológico cristão, até ao próximo domingo, 6 de Setembro. 

“Este encontro dirige-se a jovens teólogos até aos 40 anos, padres jovens, seminaristas, professores de moral, estudantes de teologia”, explica a comunidade, em comunicado.

Através desta iniciativa, os seus promotores pretendem destacar o “pensamento original” do irmão Roger, “perceptível tanto nos seus escritos como na vida da Comunidade e nos encontros de jovens”. 

Entre os conferencistas convidados está o cardeal Walter Kasper, antigo responsável pelo Conselho Pontifício para a Promoção da Unidade dos Cristãos (Santa Sé), que vai apresentar o tema: A misericórdia e o caminho ecuménico do irmão Roger.

O colóquio teológico começou no passado domingo, 30 de Agosto, com a recepção aos participantes. Este ano, os monges de Taizé comemoram os 100 anos do nascimento do irmão Roger (1915), os dez anos da sua morte (16 de Agosto de 2005) e os 75 anos da fundação da comunidade ecuménica.