sexta-feira, 25 de julho de 2014

Edições Loyola publica livro sobre a cura do mundo

Chegou ao Brasil A cura do mundo, de autoria do grande filósofo e sociólogo Frédéric Lenoir, especialista de religiões e espiritualidade, consagrado por mais de 2 milhões de exemplares vendidos na França. 

O livro traz fundamentos filosóficos para o nosso tempo, uma ética de liberdade e de responsabilidade que passa pela conversão de cada indivíduo, segundo a expressão de Gandhi: “Seja a mudança que você deseja para o mundo”.

Diferentemente de suas outras obras publicadas, A cura do mundo valoriza mais a sabedoria pessoal que o conhecimento exterior, e propõe o encontro interior com a serenidade e a alegria, além do bom relacionamento com o próximo. 

O autor reivindica a redescoberta esclarecida de grandes valores universais, verdade, justiça, respeito, liberdade, amor, beleza, a fim de evitar que o homem moderno, movido pela embriaguez da desmedida e também pelo medo e pela cobiça, decrete o próprio fim. 

Ensina a lidar com os desafios da atualidade, como a crises psicológica e sanitária, econômica e financeira, de sentido e de valores, da política, entre outras, com paz e harmonia: É possível ser feliz em um mundo infeliz? Como reagir ao sofrimento psíquico?

Por meio de exemplos concretos e com estilo informal, Lenoir divide este livro em duas partes. Na primeira, esboça um retrato de Pierre Rabhi, filósofo e agricultor, que faz um apelo a essa filosofia da “sobriedade feliz” e aponta um diagnóstico de modo transversal, setor por setor, sobre a doença que afeta o mundo, apresentando uma análise com o olhar histórico sobre as gigantescas transformações que o mundo enfrentou nos dois últimos séculos: fim da ruralidade e explosão urbana, aceleração da velocidade, explosão demográfica e aumento da esperança de vida, globalização da informação e da economia, expansão mundial dos direitos humanos e da democracia. 

A segunda aborda a convicção de que a revolução da consciência possui a natureza de conduzir a uma mudança de lógica, de concepção do mundo e a uma melhora qualitativa das relações interpessoais, das relações interculturais e dos modos de vida, além de retratar a “desglobalização” e as condições determinantes da cura do mundo.

O autor francês reflete sobre a filosofia de vida budista e também indaga sobre os limites da medicina do futuro, supondo que provavelmente será uma medicina de “peças de reposição”, na qual os órgãos de reposição serão fabricados sob medida a partir de células-tronco, o que permitirá o prolongamento da vida. 

Esta obra está centrada na emoção que é apresentada como fonte de uma experiência interior, que gera determinados gestos e palavras e garante com precisão o bom andamento do mundo.

O texto original deste livro, La guérison du monde, foi publicado em maio de 2012 pela Librairie Arthème Fayard. No Brasil, A cura do mundo foi lançada por Edições Loyola e já pode ser adquirida por meio do site: www.loyola.com.br ou pelo e-mail vendas@loyola.com.br.

Sobre o autor

Frédéric Lenoir nasceu em Antananarivo (Madagascar) em três de junho de 1962, mas sua família mudou-se para a França em 1964. Foi despertado para questões existenciais, desde a adolescência, pela leitura de Hesse e Dostoiévski e apaixonou-se pela filosofia ao ler o Banquete, de Platão. 

A obra de Carl Gustav Jung o motivou a conhecer os grandes mitos e as religiões da humanidade. Aproximou-se da astrologia, do budismo tibetano e interessou-se pela Cabala. Embora tenha sido educado no catolicismo, só aos 19 anos foi vivamente despertado para o cristianismo pela leitura dos Evangelhos.


É autor de cerca de quarenta obras (ensaios, romances, contos, enciclopédias) traduzidas em quase vinte línguas e que já venderam mais de quatro milhões de exemplares. Escreveu também para o teatro, para o cinema e até histórias em quadrinhos. 

Tratou, também, da sabedoria pessoal em obras precedentes, como Socrate, Jésus, Bouddha (2009), Petit traité de vie intérieure (2010), L’Âme du monde (2012) e Du bonheur. Un voyage philosophique (2013).



Nenhum comentário: