terça-feira, 31 de março de 2015

Prefeitura de Florianópolis dá sinais de intolerância religiosa, diz Sheherazade - Por Leiliane Roberta Lopes



Na visão da jornalista ter exemplares da Bíblia em bibliotecas não fere a laicidade do Estado.

Em nome do Estado Laico há inúmeros processos e requerimentos que tentam impedir que símbolos religiosos sejam expostos em locais públicos. É em nome dessa laicidade que a Prefeitura de Florianópolis entrou com uma ação contra a lei municipal que obriga as escolas a manterem exemplares da Bíblia em suas bibliotecas.

A jornalista Rachel Sheherazade comentou a ação da prefeitura no programa Jornal da Manhã, na rádio Jovem Pan, dizendo que se trata de um caso de intolerância religiosa uma vez que manter livros sagrados em prateleiras não fere a Constituição Brasileira.

“O Estado laico é aquele que não tem um credo oficial, nem permite que a religião o conduza ou subjugue. O Estado laico é neutro, mas não é antirreligoso. Muito pelo contrário”, esclarece a jornalista.

Sheherazade diz também que a mesma Carta Magna que define o Estado como laico, também garante a liberdade de culto. “Nossa constituição, a mesma que define nosso Estado como laico, não só confere liberdade de culto, como assegura prestação de assistência religiosa nas prisões, nas escolas, institui o casamento religioso e criminaliza qualquer desrespeito às crenças e seus símbolos sagrados.”

Ter exemplares da Bíblia em bibliotecas não é o mesmo que obrigar os alunos a lerem o livro, por isso a jornalista questiona: “Como pode uma Bíblia numa biblioteca ferir a laicidade do Estado brasileiro?”

Rachel Sheherazade completa: “Se para os cristãos ela é a escritura sagrada, para os não- cristãos, a Bíblia não passa de um livro comum pendurado numa estante, como milhares de outros. Lê quem quer. Ninguém é obrigado. Mas, é impensável que uma biblioteca que se preze, em qualquer lugar do planeta, não tenha, sequer, um exemplar do livro mais lido, conhecido e vendido do mundo.”

A jornalista ainda cita que o Brasil é um dos países mais católicos do mundo, colonizado por eles, inclusive e que ainda hoje tem mais de 90 por cento de sua população formada por cristãos. Então ela entende que a ação da prefeitura nada mais é do que um ato de intolerância religiosa.


“Se há uma caça aos símbolos sagrados, particularmente os cristãos, porque não começamos por abater a imagem do Cristo Redentor? Que tal demolir a enorme estátua para que ela não macule o Estado laico? E quanto aos nomes de estados como São Paulo, Espírito Santo, Santa Catarina? Valei-nos! Vamos renomeá-los também. Baixem leis para atender à demanda dos laicistas, para fomentar, ainda mais, a intolerância religiosa… Ué? Mas intolerância religiosa é crime!”



Nenhum comentário: