terça-feira, 7 de julho de 2015

Igreja Católica abre novos espaços para atender imigrantes que chegam a São Paulo - Por Roseli Lara


Atendendo a um apelo do Papa Francisco para que as estruturas da Igreja sejam abertas aos imigrantes e refugiados e diante da chegada constante de imigrantes haitianos e de outras nacionalidades (africanos, asiáticos, latino-americanos), organizações ligadas às congregações religiosas e à Arquidiocese de São Paulo se articulam para oferecerem novas vagas de acolhida aos imigrantes, em espaços das suas próprias estruturas.

De acordo com o diretor do Centro de Estudos Migratórios (CEM), da Missão Paz, dos Missionários Scalabrinianos, padre Paolo Parise, além das 110 vagas já completamente preenchidas na Casa do Migrante, mantida pela Missão, uma média de 100 imigrantes haitianos têm sido acolhidos na estrutura da Igreja Nossa Senhora da Paz, Centro de São Paulo.

No ano passado, a Missão atendeu a mais de 7 mil imigrantes, com serviços de acolhimento (abrigo e alimentação), documentação, aulas de vários idiomas, intermediação do trabalho, entre outros.

Em 2015, o fluxo permanece, com a diferença de que os ônibus saídos do Estado do Acre, que estavam chegando com mais frequência até meados de maio, tiveram uma temporária suspensão. Mesmo assim, os haitianos em busca de trabalho têm chegado a São Paulo por outros meios. Apenas para a capital paulista está prevista a chegada de 920 haitianos nos próximos dias, com a retomada do fretamento pelo governo.

Diante do drama humanitário, que configura o rosto da imigração atual no Brasil, as organizações da Igreja Católica estão abrindo novos espaços de acolhida. Segundo o padre Paolo Parise, juntos, os novos espaços de acolhida possibilitarão a abertura de 300 novas vagas.

"Além da Arquidiocese de São Paulo, que deve disponibilizar uma estrutura de três andares para o atendimento, estão abrindo novos espaços: a Congregação das Irmãs Scalabrinianas, com 150 novas vagas, dentro de 45 dias, e a Congregação das Irmãs Palotinas, com a ampliação da Casa da Mulher, de 40 para 80 vagas”, informa.

Nesta quarta-feira, 24 de Junho, próximo à Estação Armênia do metrô de São Paulo, um espaço da Pastoral da Criança foi cedido para atender a 50 haitianos. Padre Paolo Parise observa que, diante da iniciativa da Igreja Católica, a Prefeitura de São Paulo assumiu o compromisso de auxiliar com a alimentação dos imigrantes.

O missionário ressalta ainda que a Missão Paz acompanha a tramitação do Projeto de Lei de Migração do país, que está no Congresso, cujo substitutivo foi aprovado, recentemente, no Senado

Parise diz que as organizações de defesa dos imigrantes tentam reverter alguns retrocessos na matéria, como o fortalecimento da figura da Polícia Federal, para continuar cuidando de questões migratórias, já que "migração não é caso de polícia".





Nenhum comentário: