domingo, 13 de setembro de 2015

ONU reúne líderes religiosos para discutir desenvolvimento e preservação do meio-ambiente



A Organização das Nações Unidas (ONU) promoveu um encontro com líderes religiosos para debater formas de contribuição da sociedade para a construção de um modelo de desenvolvimento sustentável que seja amigável ao meio-ambiente.

Denominado: “Fé no Futuro”, o evento reuniu 24 tradições religiosas, incluindo vertentes do cristianismo, além de representantes da própria ONU, do Banco Mundial, entidades ativistas do meio-ambiente como a Word Wildlife Fund (WWF) e The Nature Conservancy.

Representantes dos governos da França e da Alemanha também participaram do encontro de abertura na última terça-feira, 08 de Setembro, na cidade de Bristol, na Inglaterra.

De acordo com a ONU, a presença das entidades religiosas se faz necessária porque as religiões, ao redor do mundo, formam o maior organismo da sociedade civil, e figuram, com seus diferentes trabalhos sociais, como as principais prestadoras de serviços de saúde, educação e assistência aos menos favorecidos.

Foi firmado um comprometimento entre os líderes religiosos pela promoção de ideais e ações práticas ligadas ao desenvolvimento sustentável nos próximos 10 anos. O documento, chamado: Compromissos de Bristol, traçou metas que vão substituir os chamados Objetivos de Desenvolvimento do Milênio.

Os termos desse novo documento serão adotados pelos Estados-membros da ONU na reunião da Cúpula de Desenvolvimento Sustentável, que acontecerá no próximo dia 25 de Setembro, em Nova York (EUA).

“Durante as negociações para pós-2015, governos e sociedade civil trabalharam juntos por uma agenda comum, de forma a dar lugar a uma mudança transformadora. As comunidades religiosas do mundo desempenharão importante papel na implementação da nova agenda, mobilizando pessoas pelo mundo para que apoiem o alcance dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) até 2030”, disse o diretor do Grupo Pós-2015 do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Paul Ladd.





Nenhum comentário: