segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Currículo nacional imprime novo rumo ao ensino religioso – Por Alex de Paula


É correto oferecer ensino religioso direcionado apenas a uma crença, em um estado laico? 

Com este questionamento, a nova proposta de currículo nacional apresentada pelo Ministério da Educação (MEC) indica novos rumos a serem seguidos nas escolas do país.

O documento, que fica disponível para consulta pública até o final do ano, critica doutrinas que se autorreferenciam como verdade exclusiva e o ensino religioso apresentado atualmente, mencionando que esse modelo virou um elemento de disputa entre o estado e instituições religiosas.

A ideia é proporcionar liberdade de expressão religiosa nas salas de aulas, do 1º ao 9º ano escolar, "atendendo a reivindicações da sociedade civil, de sistemas de ensino e de instituições de educação superior que almejavam o reconhecimento de culturas, de tradições e de grupos religiosos e não religiosos que integram a complexa e diversa sociedade brasileira", conforme escrito no documento.

"Eu percebo que os alunos não chegam ao ensino superior com o conhecimento que foi trabalhado na educação básica. Na maioria das vezes este é origem de experiências comuns e familiares", relatou a filósofa Naurelice Maia de Melo.

Propostas

Seguindo as propostas do currículo, o estudante do 8º ano, por exemplo, deve "perceber os limites e possibilidades da atuação de grupos religiosos em um estado laico e em uma sociedade construída na diversidade cultural religiosa".

Na visão de Lúcio Gomes Dantas, diretor do colégio Marista Patamares, em Pituaçu, o estado laico é constituído na diversidade cultural, inclusive em suas manifestações religiosas e não religiosas.

"Seria limitador negar a religiosidade na cultura brasileira, bem como entendemos que o elemento possibilitador é a abertura que o estado laico apresenta para as várias manifestações religiosas e não religiosas. Essa pluralidade enriquece valores como tolerância e a construção da própria alteridade", afirmou Dantas.

Já no 9º ano, os alunos deverão compreender os sentidos e significados da vida e da morte para o ateísmo, niilismo, ceticismo e agnosticismo. "Para mim, isso é um assunto de fórum íntimo que deve ser resolvido com a família. Escola é um espaço de aprendizagens significativas de inserção social", disse Iraildes Nascimento, diretora da escola municipal Eugênia Anna dos Santos, localizada no bairro de São Gonçalo.

Para José Braga, coordenador pastoral do Marista, o significado da vida e da morte não deve ser tratado isoladamente, mas de uma forma que ajude os estudantes a interpretar o mundo de forma sistêmica.

Opiniões

Para o pedagogo Nelson Souza, a reforma do currículo é uma ação positiva e que deve ir de encontro à realidade do país. "Ninguém pode impor a crença de outra pessoa, muito menos a escola. Tem que dar liberdade porque a própria Constituição brasileira estabelece essa autonomia de culto", pontuou Souza.

Apesar de ser uma instituição cristã, o Colégio Anchieta, que possui unidades na Pituba, no Itaigara e no Aquarius, não oferece ensino religioso obrigatório aos seus alunos.

"Temos uma catequese livre apenas para o 6º ano, por pedido dos pais. Não somos um colégio ligado à igreja" afirmou João Batista, diretor do Anchieta. Ainda segundo Batista, a instituição já promoveu encontros de religiões, mas com o passar do tempo, o número dessas cresceram, ocasionando a impossibilidade de reunir líderes de todas elas.


"Inclusive é um questionamento: quem são essas pessoas que estarão preparadas para dar aulas de diversas religiões nas escolas?", indagou o diretor.




Nenhum comentário: