quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Vocação estimula formação de novos teólogos no Brasil


Graduação a distância pode ser concluída em três anos. Curso inclui temas como o apoio ao desenvolvimento comunitário.


No Brasil o catolicismo mobiliza 57% da população, ou aproximadamente 116 milhões de pessoas, enquanto as igrejas evangélicas arregimentam perto de 42 milhões de fiéis (25%), de acordo com pesquisas feitas pelo Datafolha em 2013. Os espíritas, com 3%, estão em terceiro lugar, seguidos por testemunhas de Jeová, umbandistas, budistas, adeptos do candomblé, judeus e muçulmanos.

E para muitos, a identificação com determinada religião é sinônimo de muito estudo e até a descoberta de uma nova vocação.  De acordo com Cícero Bezerra, coordenador do curso de Teologia, do Centro Universitário Internacional Uninter, a orientação vocacional é o principal motivador dos seus alunos. 

“Ao iniciar o bacharelado em Teologia, muitos já têm uma profissão e até outra graduação. Mas eles geralmente estão envolvidos em alguma atividade na igreja ou comunidade e decidem investir em uma formação nesta área”, destaca o coordenador.

Com duração de três anos, esta graduação tem o objetivo de formar profissionais capazes de atuar na área de serviços e apoiar o desenvolvimento comunitário, além de produzir e difundir o conhecimento na área de teologia. 

“O conhecimento da comunidade como organização complexa, é fundamental, pois, entre outras atividades, este profissional tem a função de promover a educação e a cidadania”, explica Bezerra. 

O coordenador da Uninter ainda reforça que o curso envolve estágio obrigatório e atividades complementares como palestras e participações em eventos, com o objetivo de complementar o aprendizado dos alunos.

Um diferencial importante deste curso são as disciplinas optativas para tradição religiosa. “De acordo com sua orientação e interesse, o aluno pode optar, por exemplo, pela tradição religiosa da Assembleia de Deus, do Evangelho Quadrangular ou da Igreja Católica, entre outras”, comenta o coordenador da Uninter.




Nenhum comentário: