segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Alemanha encontra acervo bilionário de arte furtada por nazistas

Cerca de 1.500 obras de arte confiscadas pelos nazistas nos anos 1930 e 1940 foram encontradas na cidade de Munique, na Alemanha

A coleção inclui obras de artistas como Matisse, Picasso e Chagall, segundo reportagem da revista Focus.

De acordo com a revista, algumas peças são parte do grupo de obras consideradas “arte degenerada” pelos nazistas. Outros trabalhos foram roubados de judeus ou então foram vendidos à força pelos proprietários, por um preço menor, a colecionadores ligados ao nazismo.

Se confirmada, pode se tratar de uma das maiores recuperações de arte confiscada. Os investigadores já trabalham com a possibilidade de o lote recuperado valer cerca de um bilhão de euros (equivalente a R$ 3 bilhões).

Segundo a revista, as obras foram encontradas por acaso em 2011, quando auditores fiscais investigavam o alemão Cornelius Gurlitt, filho de um importante marchand de Munique.

Foi então encontrado o lote com 1.500 peças que não haviam sido mais vistas desde a Segunda GuerraGurlitt manteve a coleção em um depósito. Ele chegou a vender algumas peças à medida que precisou de dinheiro, segundo a Focus.

'Arte degenerada'

Boa parte do acervo encontrado é composto pela chamada “arte degenerada”. Tratavam-se de obras de estética moderna, produzidas em boa parte por artistas judeus. Durante o nazismo, a estética era considerada antialemã.

Muitos trabalhos foram confiscados e destruídos. Outros foram vendidos a colecionadores por um baixo preço. Uma das peças encontradas em Munique seria o retrato de uma mulher, pintada por Henri Matisse.

A obra pertenceu a Paul Rosenberg, o marchard que representou Picasso e Matisse. Judeu, ele saiu da Alemanha nos anos 1930, deixando para trás uma grande coleção de arte. O Holocaust Memorial Museum dos Estados Unidos estima que os nazistas tenham se apropriado de cerca de 16 mil obras de arte.




Nenhum comentário: