quarta-feira, 2 de abril de 2014

“A lógica de mercado está a contaminar a solidariedade”, diz Boaventura Sousa Santos – Por Nuno Sá Lourenço

Boaventura Sousa Santos apresentou livro sobre o papel das religiões e dos religiosos no combate contra a opressão. O debate transformou-se num embate entre as virtudes da liberdade em oposição à comunidade.

O ponto de partida do debate era desde logo uma provocação, até para os oradores convidados. Ainda mais se se tivesse em conta o que o autor assumiu durante a troca de impressões que decorreu nesta terça-feira na Fundação José Saramago. 

O livro de Boaventura Sousa Santos: Se Deus fosse um activista dos direitos humanos juntou em Lisboa o ex-secretário-geral da CGTP e o historiador e social-democrata Pacheco Pereira.

No livro, nas palavras do sociólogo, dava-se nota do “retorno das teologias políticas” pelo mundo, depois do fracasso das “gramáticas” do seculo XX, comunismo, libertação nacional, a que haviam recorrido “os que não se conformavam com o status quo”, que agora usavam a “arma” dos direitos humanos para combater os “opressores”.

O debate tornou-se mais vivo devido a Pacheco Pereira que foi à Casa dos Bicos apresentar o livro na “situação um pouco bizarra” de discordar de muitas das assunções e das conclusões a que chegara Sousa Santos.

A maior de todas prendia-se com a sua percepção de que o autor tendia desvalorizar a liberdade e valorizar em demasia a comunidade. “Não troco a liberdade pela comunidade”, resumiu o social-democrata, que mais à frente haveria de explicar a sua desconfiança em relação à “nostalgia da aldeia”.

Sousa Santos começou por dizer que não ia tão longe como a leitura de Pacheco Pereira poderia fazer crer. Explicou também que o que tentara explanar no livro era o papel de religiões e religiosos na “insurgência” contra a opressão, não vendo nenhum mal nisso. “Se alguém chama a isso Deus qual é o problema?”. Sobre a ideia de comunidade, lembrou que em certos países ela não desaparecera totalmente, apesar das consequências de uma sociedade mais urbana.

E deu mesmo alguns exemplos de como essa ideia de comunidade poderia ser benéfica para a sociedade actual. Como quando lembrou que Portugal era o “país onde mais pais pagavam a primeira prestação na compra da casa dos filhos”.

Pacheco Pereira também fez o caminho da aproximação ao reconhecer as vantagens dos valores da comunidade numa cidade. “Com a crise, uma das primeiras coisas que as pessoas deixaram de pagar foi o condomínio. Naqueles prédios altos, suburbanos, os mais idosos ficaram presos em casa.”

Nem mesmo com a intervenção da pequena assistência o debate deixou de pairar por estes termos. Um arquitecto, que se assumiu não-crente, insurgiu-se contra a denuncia que Sousa Santos fizera contra a imposição de “condições” que algumas IPSS faziam para concederem o seu apoio, por exemplo a prostitutas. 

Dando exemplos do trabalho de algumas dessas instituições. “Se o Estado fizesse tanto como a igreja católica, Portugal estava melhor que a Suíça”, atirou ao sociólogo.

Ainda assim, o sociólogo que assumiu pretender “resgatar a esperança, a utopia e a rebeldia” perante as injustiças, sempre deixou uma crítica mais velada ao Governo quando comentou a forma como o Executivo trabalhava a solidariedade. 

“Como vamos manter a coesão social quando agora até o trabalho social tem que se chamar empreendedorismo? A lógica de mercado está a contaminar a solidariedade”.




Nenhum comentário: