sábado, 17 de janeiro de 2015

Dez mortos em protestos violentos no Níger contra caricatura de Maomé


Líderes religiosos e Presidente apelam à calma depois de ataques a igrejas.

No segundo dia de ataques a igrejas e lojas de cristãos em diferentes cidades do Níger, em protesto contra a caricatura de Maomé na capa da nova edição do jornal satírico francês Charlie Hebdo, 20 líderes religiosos muçulmanos foram à televisão pública do país pedir calma. E o mesmo fez o Presidente.

“Não se esqueçam que o islão é contra a violência. Peço aos homens, às mulheres e aos jovens que se acalmem. O islão não defende actos de violência”, disse o imã Yaou Sonna. “Apelo à juventude, se age em nome do islão ponha fim à violência que nos autodestrói”, pediu outro imã. 

“Nós compreendemos a cólera dos muçulmanos. Tocam-nos no que temos de mais querido, mas isso não justifica que ataquemos os outros e os seus bens.”

Os protestos violentos começaram na sexta-feira nesta antiga colónia francesa, ao mesmo tempo que se realizavam manifestações em diferentes países africanos de maioria muçulmana, e também na Ásia e no Médio Oriente. 

Uma semana depois do atentado contra o jornal francês que fez 12 mortos, o semanário chegou às bancas na quarta-feira com uma capa onde o profeta, de lágrima no olho, segura um cartaz onde se lê: “Sou Charlie” (a frase transformada no slogan global de denúncia do ataque) debaixo da frase: “Tudo está perdoado”.

Em Zinder, a segunda maior cidade do Níger, cinco pessoas foram mortas na protestos de sexta-feira, anunciou o Presidente, depois de na véspera um ministro ter falado em quatro vítimas mortais. 

Um centro cultural francês foi incendiado e três igrejas foram pilhadas. Sábado, as manifestações violentas estenderam-se a vários bairros da capital, Niamey, onde a AFP contabiliza oito igrejas incendiadas e a embaixada francesa pediu aos seus cidadãos para “evitarem sair de casa”. O Presidente anunciou igualmente que cinco pessoas morreram neste sábado.

Bares, hotéis, lojas que vendem álcool ou empresas franceses foram também pilhados. As autoridades falam de seis grupos de 200 a 300 manifestantes cada que passaram o dia a provocar o caos na capital, armados de barras de ferro, bastões ou pás.

"Aqueles que pulham estes locais de culto, que os profanam, que perseguem e matam os seus compatriotas cristãos ou os estrangeiros que vivem no nosso país não respeitam o islão", denunciou o Presidente.

A França também condena “o recurso à violência” e exprime a sua solidariedade com as autoridades do Níger”, afirmou num comunicado o ministro dos Negócios Estrangeiros de Paris, Laurent Fabius.

O Presidente do Níger, Mahamadou Issoufou, foi um dos seis chefes de Estado africanos a participar na grande marcha republicana de domingo passado em Paris, em reacção aos ataques que começaram na redacção do Charlie Hebdo e fizeram 17 mortos em três dias. 

“Somos todos Charlie”, afirmou Issoufou, ainda em Paris, provocando críticas de várias associações locais. Os protestos dos dois últimos dias são também contra a sua presença em França.

Ibrahim Boubacar Keita (conhecido por IBK), Presidente do Mali, também o fez, tendo marchado ao lado do líder francês, François Hollande. No seu país, milhares saíram à rua para denunciar uma “afronta ao islão”. 

“IBK é Charlie, eu não sou Charlie”, “O islão é vítima do terrorismo internacional” ou “o profeta não deve ser caricaturado”, foram os gritos dos manifestantes no Mali. 

“A França ajudou-nos, é verdade. Mas não tem o direito de ofender a minha religião”, disse ao Le Monde Almahoud Touré, de 36 anos. 

Paris envolveu-se militarmente no Mali no início de 2013 para colaborar com as autoridades na luta contra grupos jihadistas ligados à Al-Qaeda.

A maioria dos protestos teve lugar na sexta-feira, mas sábado continuava a haver manifestantes nas ruas da Somália ou Cartum, a capital do Sudão. 

“Jornalistas franceses, irão todos para o inferno”, escreveram desconhecidos durante a noite nos muros de um centro cultural francês há muito encerrado em Gaza.

No Médio Oriente, o maior protesto, com 2500 manifestantes, aconteceu em Amã, com os manifestantes a erguerem cartazes onde se lia: “o ataque ao grande Profeta aumenta o terrorismo mundial”

Depois de ter marchado na primeira fila de líderes em Paris, o rei jordano, Abdullah II, descreveu a nova edição do Charlie Hebdo como “irresponsável e inconsciente”.





Nenhum comentário: