segunda-feira, 25 de maio de 2015

A ciência foi sequestrada por empresas, políticos e religiões


O cientista americano Gregg Braden afirma que a mudança climática não depende de gases de efeito estufa e que uma nova ciência, mais honesta, está chegando.

Há questões que permanecem ao longo dos séculos: de onde viemos e quem somos. A ciência e a espiritualidade têm tentado responder separadamente porque a combinação dos dois pode ser um coquetel explosivo e que exige grande habilidade. Gregg Braden se atreveu a fazê-lo.

Ele passou três décadas estudando e pesquisando como unir o conhecimento espiritual das culturas antigas com o rigor científico do nosso dia. Para esse fim, ele parou de trabalhar como engenheiro aeroespacial em Denver e especialista em geologia e computadores em empresas como Phillips Petroleum e Cisco Systems.

Publicou uma dúzia de livros, traduzidos para 34 idiomas. Sua reputação o levou a dar mais de 100 palestras por ano fossem discursos públicos ou apresentações na ONU, grandes corporações e o Exército dos Estados Unidos.

Nessa entrevista publicada no periódico espanhol La Vanguardia, um pouco do seu pensamento para refletirmos sobre nossa condição no planeta Terra. Acompanhe. (Ele visitou Barcelona neste final de semana - 22 e 23 de maio de 2015 - para uma conferência)

Você nasceu em uma comunidade conservadora.

Sim, no norte do Missouri. Era um lugar onde as pessoas não falavam sobre espiritualidade, mas de ciência. Eu acreditava que todo mundo pensava como eu, que não se separa a ciência da espiritualidade. Ao estudar a ciência acreditava que teria mais poder, por isso, quando estudei biologia, física, química, geologia ... enxergava nisso os pequenos compartimentos de um poder maior.

Mas trabalhou para grandes corporações. Como geólogo, para Phillips Petroleum e diretor de operações da Cisco Systems. Nada há nisso de espiritualidade.

Eu descobri que meus pensamentos eram muito diferentes dos deles. Me disseram que eu tinha que escolher: ou a ciência ou a espiritualidade. Minha resposta foi: E se eu não escolher um ou outro? E se combinar os dois? Onde é que vou chegar? Como isso vai me ajudar a ver o mundo de forma diferente e resolver problemas? Esse pensamento se reflete no meu trabalho.

Neste final de semana vamos fazer uma grande fotografia do mundo para ver como ele está mudando e como podemos abraçar essa mudança de forma saudável. As melhores mentes do nosso tempo dizem que estamos em uma época de extremos. Elas não são coisas ruins ou boas, mas grandes mudanças estão acontecendo. E isso significa grandes mudanças em nossas vidas.

Vamos falar de alterações climáticas, econômicas, cuidados de saúde social. Temos que encontrar maneiras de nos adaptarmos a essas mudanças. São as mudanças que nunca vimos antes.

Já ouvimos muito sobre as alterações climáticas ou a mudança social ou crise econômica. Como você assimila?

Adaptar-se é primeiro entender. As mudanças são acionadas em ciclos, então vamos falar sobre os ciclos de mudança. Quando entendemos começa a fazer sentido.

Por exemplo, sobre as alterações climáticas, qual discurso assimilar o daqueles que negam ou daqueles que pregam e ambos sob premissas científicas?

Boa pergunta. Em ambas as extremidades há diferentes razões para compartilhar o que eles dizem. Estudei geologia e prefiro permitir que a Terra conte sua própria história. Não com uma visão política, comercial ou de qualquer outro plano ou interesse. A própria Terra nos diz que as mudanças que vemos são parte de um ciclo muito maior de tempo.

Nos disseram que o dióxido de carbono na atmosfera aumentou, mas a história da Terra está por exemplo, no coração do gelo antártico, nos registros de milhões de anos. O que esses ciclos nos dizem é que a temperatura da Terra aumenta primeiro e em seguida cresce o verde. Isto significa que o gás não pode causar o aquecimento global.

Então?

"O que está mudando é a relação da Terra com o Sol. Vemos através de três parâmetros, tais como o ângulo em que se encontram. É isso que muda. Está acontecendo agora como o fez no passado. A mudança é intensa e dados breves dizem que a mudança é completa. Após o aquecimento entramos em um ciclo de arrefecimento.

Assim, não devemos acreditar naqueles que nos dizem para não consumir muito, porque poluímos.

Essa pergunta é complicada (risos). É bom reduzir o consumo de combustível fóssil e ter energia solar, eólica ... É bom ter energia alternativa, mas não vai mudar o ciclo. Nós só podemos nos preparar com o que vem com honestidade. Se não formos honestos com as alterações climáticas, como podemos estar prontos para isso? As mudanças afetam mais o norte do o sul? Sua terra, seu povo, alimentos cultivados lá. Se você não entender, a mudança ela se torna um problema.

Muito bem, nós somos honestos. Como é que vamos adaptar?

A Mudança é individual, familiar, comunitária. Uma coisa que nos ajuda é viver localmente, confiar mais em comida local, a energia local. Quando o tempo muda, o tempo muda e muda as estações do ano e quando chove ou quando neva. Isso afeta a maneira como vivemos.

Você foi um defensor de que algo aconteceria em 2012, sobre os presságios do fim do mundo. O que aconteceu?

Este é um exemplo dos ciclos que as pessoas não entendem. Essa data foi identificada nas tradições de civilizações antigas como o fim de um ciclo de cinco mil anos. Muitas pessoas pensaram que aconteceria algo ruim, mas o que eles disseram é que o fim de um ciclo ancestral é o começo de um novo. Eles já disseram que o clima mudaria nossas vidas!

Você tem estudado profundamente outras culturas, como a egípcia ou tibetana. São culturas científicas ou espirituais?

Ambas. A ciência descreve de uma maneira, e a espiritualidade do outro.

Na sua visão quais são as premissas falsas da ciência sobre as quais repousa nossa sociedade?

Vivemos nossas vidas e resolvemos nossos problemas com base na forma como fomos educados. Nos últimos 300 anos a ciência nos contou uma história de separação. De nós mesmos, dos outros, do mundo, de um poder maior e que a natureza é baseada em competição e conflito. É a evolução de Darwin.

A nova ciência, a melhor ciência do século transformou tudo isso. As novas descobertas nos dizem que estamos profundamente conectados com nós mesmos, com os outros, com a Terra e a natureza é baseada em um modelo de cooperação. Estamos agora em um momento de grande mudança e as soluções velhas não são boas. Temos uma nova maneira de pensar.

Mas quais são essas falsas premissas?

Elas são seis. Em primeiro lugar, a origem da vida, de onde vem. O segundo é de onde vem a vida humana porque talvez ela tenha chegado aqui de um lugar diferente. Qual é o nosso relacionamento com o nosso corpo, com o exterior, com o nosso passado e quais são os fundamentos da nossa natureza. A conferência irá responder a isso. Vivemos em um mundo conectado, e não estamos separados.

De acordo com suas teorias, pensamentos, sentimentos e emoções criam a realidade. Será que a ciência o nega?

A Ciência honesta não.

Onde está esse tipo de ciência?

Bem. Ciência é um projeto para ser constantemente atualizado sobre as informações fornecidas. Para manter a honestidade na ciência, temos de abraçar novas descobertas. E o que acontece é que a ciência foi sequestrada por corporações, empresas, políticos e religiões. Eles fazem a ciência ajustar-se às suas histórias. A melhor ciência nos diz que estamos ligados por um campo de energia. Eu o chamo de Matriz Divina. Eles chamam isso de "campo". A ciência sabe, está consciente e reconhece que temos a capacidade de influenciar o campo. A questão da ciência agora é: como podemos influenciar nesse campo? Como estamos conectados? Nesse ponto estamos.






Nenhum comentário: