quarta-feira, 13 de maio de 2015

No Dia do Muçulmano, mulheres explicam como é seguir o Islã no Brasil



Foz do Iguaçu comemora, no dia 12 de maio, o Dia do Muçulmano.

"A mulher muçulmana carrega no corpo a religião", diz Claudia Asma, 44, sobre a responsabilidade feminina diante do islamismo. Brasileira, ela não nasceu em nenhum país muçulmano e não tem familiares praticantes da religião.

Claudia, que estudou por seis anos o Alcorão antes de converter, vive em Foz do Iguaçu, cidade que tem a maior comunidade islâmica do Brasil, em proporção à sua população total.

A cidade paranaense comemora, no dia 12 de maio, o Dia do Muçulmano. Dentro de uma das mesquitas de Foz do Iguaçu, Claudia e cinco amigas se revezam para explicar o que é ser uma mulher muçulmana e o que significa optar por esse caminho em um país como o Brasil.

"Se uma mulher islâmica faz algo de errado, não é uma mulher, e sim uma muçulmana que está fazendo algo de errado", define ela. Vir de família evangélica, segundo ela, facilitou conviver em um ambiente em que o dia a dia é conduzido a partir de questões espirituais.

A mesma visão é compartilhada com a amiga Raquel Diniz, 41, que se converteu ao casar com um libanês que morava na casa vizinha de seus pais. "A muçulmana não é uma mulher oprimida. (...) Usar o véu não tem nada a ver com o pai ou com o marido, e sim com Deus", afirma Raquel ao falar sobre a "hijab" (lenço curto, que cobre a cabeça e o colo). Elas também podem usar o usar o xador, véu mais longo e na altura do quadril.

"Não é obrigatório, há muitas mulheres que conhecem a religião mas preferem não usar o véu." Claudia conta que sua filha, por exemplo, optou por não adotar a vestimenta aos nove anos, idade a partir da qual passa ser permitido, e não usa até hoje.

Para a antropóloga Francirosy Ferreira, que estuda o assunto há 19 anos, existe uma especificidade em ser mulher que vem antes da sua cultura ou religião, e que difere de contexto em contexto.

Segundo ela, nem sempre as reivindicações das mulheres no Ocidente colaboram para as pautas feministas no Oriente. Apesar de o islamismo não obrigar uma filha a casar com quem o pai escolher, culturalmente isso acontece em países muçulmanos. Tal pauta não aparece em bandeiras ocidentais, exemplifica Francirosy.

"Nós temos um grande problema que é o etnocentrismo, o que fazemos é sempre melhor do que os outros. Vivemos um momento de intolerância em vários sentidos. (...) Falta uma construção de alteridade, de entender que o outro é diferente."

Preconceito

"Tudo o que é diferente é observado. Quando acontece algum ato terrorista [como o 11 de Setembro], nesses casos sim, somos hostilizadas. É desagradável, já aconteceu comigo, mas eu não me incomodei", conta Claudia.

"Terrorismo e religião são coisas diferentes", repete. A reclamação de Claudia e suas amigas é a mesma: o islamismo é generalizado em práticas que, nem sempre, estão ligadas a ele.

"A pena de morte não é uma lei islâmica, porém países muçulmanos a praticam. Os Estados Unidos, por exemplo, têm pena de morte, mas ninguém fala nada", compara Hanadi Diniz, 19, filha de Raquel.

Hanadi destaca, no entanto, o fato de em Foz do Iguaçu as pessoas já estarem acostumadas com os muçulmanos. Para ela, esse é um dos motivos de não sofrerem nenhum preconceito explícito.

Sobre o noticiário recente acerca do Estado Islâmico (EI), milícia radical que prega agir com base no islã, Hanadi também diz que a população local não associa tais práticas aos muçulmanos locais.


"Quando ficamos sabendo de algum noticiário sobre o EI, também ficamos chocados, assim como vocês" explica. "São grupos isolados que agem de acordo com suas necessidades, ficamos indignados."




Nenhum comentário: