quarta-feira, 6 de maio de 2015

Prefeito é investigado na França por fazer censo de crianças muçulmanas


Na França, a lei proíbe que o governo realize estatísticas sobre a etnia ou a religião da população. 

A justiça francesa abriu na terça-feira (05/05) uma investigação contra Robert Ménard, prefeito de uma cidade do sudoeste do país governada pela extrema-direita, por ter realizado supostamente um censo de alunos muçulmanos a partir de seus nomes.

Na França, a lei proíbe que o governo realize estatísticas sobre a etnia ou a religião da população. Na noite de segunda-feira, o prefeito de Béziers (sudoeste), Robert Ménard, nomeado prefeito em 2014 com o apoio da Frente Nacional, afirmou que havia realizado estatísticas sobre a religião dos alunos nas escolas de seu município. Na rede de televisão France 2, Ménard disse que "64,6%" dos alunos de Béziers são de confissão muçulmana.

"São números de minha prefeitura (...) O prefeito tem, classe por classe, os nomes das crianças. Sei que não tenho o direito de fazer isso. Mas, perdão por dizer, os nomes indicam suas confissões. Dizer o contrário seria negar a evidência", respondeu Ménard a um internauta que perguntou a porcentagem.

Seus comentários provocaram a condenação do governo socialista. "Vergonha de prefeito" de Béziers, reagiu o primeiro-ministro, Manuel Valls, em um tuíte"A república não faz distinções entre seus filhos", acrescentou. A ministra da Educação, Najat Vallud-Belkacem, disse que havia solicitado uma investigação judicial e afirmou que as declarações de Ménard eram profundamente antirrepublicanas.

"Estou chocado, horrorizado por estas declarações. A lei proíbe estes registros", disse o presidente do Observatório Nacional contra a Islamofobia, Abdallah Zekri. "Além disso, a pessoa pode se chamar Mohamed sem ser um muçulmano praticante!"Por sua vez, a prefeitura de Béziers negou nesta terça-feira (05/05) ter realizado um registro parecido. "(A prefeitura) não tem os meios, então não pode existir nenhum registro de crianças, muçulmanas ou não", declarou em um comunicado. 




Nenhum comentário: