sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

"Mude-se a tradição" – Por Fábio Prikladnicki

Em dezembro de 2013, a edição em inglês do jornal israelense Haaretz, um dos mais importantes daquele país, publicou uma reportagem com título que soa irônico: "Israelenses estão chocados ao descobrir: há mais de um judaísmo". 

Soa irônico porque parece evidente, pelo menos a nós, brasileiros, que há diversas formas de se praticar qualquer religião. No Brasil, a vasta maioria dos judeus pertence a vertentes não ortodoxas. Mas não é bem assim em Israel, onde a população judaica se divide, grosso modo, entre seculares e ortodoxos.

A reportagem trata do fenômeno da "pequena, mas crescente" porcentagem da população israelense adepta do judaísmo progressista, ou seja, liberal. Esse grupo, que não se pauta pela ortodoxia, subdivide-se em conservador (meio liberal) e reformista (mais liberal). 

O texto cita uma pesquisa divulgada em junho de 2013 pelo Israel Democracy Institute, em Jerusalém, segundo a qual 3,2% dos israelenses se consideram conservadores e 3,9% são adeptos do reformismo. 

Ou seja, no total são 7,1% de israelenses identificados com as vertentes progressistas, que se diferenciam das ortodoxas e dos seculares. Parece pouco, e é. Mas era ainda menos em 1993, quando havia 1,6% de conservadores e 2% de reformistas (3,6% no total). 

Concluindo: em 20 anos, a porcentagem de judeus religiosos liberais dobrou em Israel (que fique claro que não estamos contando os judeus seculares, aqueles que não se identificam com a religião).

Agora: o que você tem a ver com isso? Eu digo que todo aumento na proporção de adeptos progressistas de qualquer religião deve ser comemorado. 

Os ateus provavelmente argumentarão que o melhor mesmo é não ter religião. Mas não sou do tipo que deseja que as religiões sumam da face da Terra. Primeiro, porque isso é impossível. Depois, porque não devemos querer apagar o papel importante que têm na história da humanidade. 

Mas, se o assunto é religião, sou simpatizante das vertentes progressistas, que são mais igualitárias no que diz respeito à posição das mulheres e mais tolerantes sobre temas como a união de pessoas do mesmo sexo, apenas para citar alguns exemplos. O que fazemos quando a tradição é machista ou preconceituosa? Mude-se a interpretação. Mude-se a tradição.


Já ouvi muita gente, de diversas religiões, justificar posições duvidosas com base nos textos sagrados. Está lá na Bíblia Hebraica, também conhecida como o Antigo Testamento: 

o homem que se deitar com outro homem como se fosse mulher pratica coisa abominável. E logo adiante a Bíblia diz que eles serão mortos. As pessoas que se juntarem com animais também serão mortas. Assim como os animais. Nunca entendi essa parte. Por que os animais também?



Nenhum comentário: