sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

O Crer de pessoas religiosas produz proteção contra doenças no cérebro

Estudos já publicados revelam a influência da oração e da espiritualidade na saúde dos crentes. Esta recente pesquisa realizada pela Universidade Columbia-EUA diz que o cérebro dos religiosos produz uma proteção a mais sobre doenças.

Os pesquisadores estudaram pessoas com histórico familiar de depressão e descobriram que, nas religiosas, o córtex, camada externa do cérebro, era mais espesso que em pessoas não religiosas. Esse espessamento relacionado à religião, segundo eles, pode oferecer proteção contra a doença.

“Nossas crenças e nossos humores são refletidos no cérebro, e com novas técnicas de imagem já é possível observá-los”, disse à Reuters Health Myrna Weissman, professora de psiquiatria e epidemiologia da Universidade de Columbia. “O cérebro é um órgão fantástico. Não só nos controla, mas é controlado por nossos humores”.

Enquanto o estudo sugere uma relação entre a densidade do cérebro e espiritualidade, não se pode dizer que o espessamento cause a religiosidade nas pessoas, observaram os pesquisadores na revista “JAMA Psychiatry”. Mas deve servir para dar pistas, entretanto, de que ser religioso pode aumentar a resiliência do cérebro contra a depressão de forma física.

Antes deste estudo, os pesquisadores já tinham descoberto que pessoas que se diziam religiosas tinham menos risco de entrar em depressão, e que pessoas com maior propensão à doença tinham o córtex mais fino comparadas às que tinham menor risco.

Neste estudo os pesquisadores perguntaram duas vezes a 103 adultos com idades entre 18 e 54 anos o quão importante eram, para eles, religião e espiritualidade, e com que frequência eles tinham ido a missas, cultos, e outras reuniões religiosas em cinco anos. 

Além das entrevistas, imagens dos cérebros desses voluntários foram observadas para analisar a espessura de seus córtex. Todos os participantes eram filhos ou netos de pessoas que já tinham participado de um estudo anterior sobre depressão.

Os pesquisadores descobriram que a importância da religião ou espiritualidade de um indivíduo, mas não a frequência às reuniões religiosas, estava relacionada ao córtex mais espesso. O link foi mais forte entre aqueles com alto risco de depressão.

“O que estamos fazendo agora é olhar para a estabilidade do estudo”, disse Weissman, que também é chefe do Departamento de Epidemiologia Clínica Genética do Instituto Psiquiátrico do Estado de Nova York.

A equipe da pesquisadora está tomando mais imagens dos cérebros dos participantes para ver se o tamanho do córtex muda com sua espiritualidade. “Esta é uma maneira de replicar e validar os resultados”, explicou.





Nenhum comentário: