sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Sacerdotes são denunciados ao Vaticano por críticas progressistas à Igreja Católica – Por Marcela Belchior


Três sacerdotes da Arquidiocese de Santiago, capital do Chile, têm enfrentado duras críticas por parte de setores conservadores da Igreja Católica. 

Nos últimos cinco meses, Felipe Berríos, José Aldunate e Mariano Puga têm concedido entrevistas à imprensa questionando alguns aspectos da instituição. 

As indagações vão desde a postura do clero frente à reforma educacional do governo da presidenta Michelle Bachelet, até a negativa da instituição em debater o aborto e a rejeição da Igreja ao matrimônio homossexual. O posicionamento dos sacerdotes gerou repercussão entre os religiosos no Vaticano.

No último mês de junho, Mariano Puga, apontado como "padre operário”, afirmou que a Igreja reforça a desigualdade entre os povos: "A Igreja, em vez de ser a que destruía o conceito de classe, o fortaleceu: colégios para os pobres, outros para os indígenas, outros para a classe alta”, afirmou o eclesiástico.

Dois meses depois da declaração, José Aldunate, que tem 97 anos de idade e é reconhecido defensor dos direitos humanos durante o regime militar chileno (1973-1990), se declarou favorável ao casamento entre pessoas de mesmo sexo. "O homossexual tem direito a amar e compartilhar sua vida com outra pessoa. (...) A Igreja é antiquada”, disse o sacerdote jesuíta.

Ambos os religiosos convergem para postura adotada pelo sacerdote jesuíta, ativista e escritor chileno Felipe Berríos que, desde seu retorno ao Chile em junho passado, após passar quatro anos em Burundi e no Congo trabalhando junto a refugiados, mantém um discurso crítico sobre a sociedade de classes. Ele questiona ações governamentais como o Projeto Lei de Reforma Educacional e os conflitos étnico-sociais e econômicos por que passam os índios mapuche, estabelecidos no sul do Chile.

Denunciados ao Vaticano pelo cardeal Ricardo Ezzati, atual arcebispo metropolitano de Santiago do Chile e presidente da Conferência Episcopal do Chile (encarregada de assegurar a "correta” aplicação da doutrina), os três sacerdotes são, agora, investigados pela Congregação para a Doutrina da Fé. 

Ezzati enviou à cúpula católica um relatório enumerando uma série de casos que desafiariam uma postura conservadora da Igreja, incluindo as últimas declarações públicas dos sacerdotes. No início do último mês de setembro, o cardeal convocou uma reunião de trabalho com os representantes eclesiais de Santiago para discutir o tema.

Ezzati, sem aviso prévio, chegou a visitar a casa onde vivem dois dos três sacerdotes progressistas, a residência San Ignacio, no Centro da capital chilena, com a pretensão de levantar mais dados para incluir nas denúncias. 

Fontes próximas a Puga, Aldunate e Berríos afirmaram que os três padres teriam enviado uma mensagem ao núncio apostólico no Chile, Ivo Scapolo, para solicitar uma audiência e esclarecer a situação de maneira conjunta.


"No espírito do nosso querido Papa Francisco e para sermos fieis ao Evangelho de Jesus (do domingo passado): se teu irmão peca contra, chamo-o individualmente. Se te escuta, haverás recuperado teu irmão... Solicitamos uma audiência”, assinala um trecho do texto que teria sido redigido por Puga, em nome dos três sacerdotes. 

Após o Sínodo dos Bispos, que se iniciou no último 05 de outubro e segue por 14 dias no Vaticano, há a expectativa de que o líder da Conferência Episcopal se reúna com o grupo.



Nenhum comentário: