terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Festival de Iemanjá reúne 30 mil pessoas em Outeiro – Por Adison Ferrera



Criado em 1971 por pais e mães de santo de Belém, o Festival de Iemanjá é hoje a maior festa umbandista da região Norte, reunindo grande público.

Um ritual ecumênico na Aldeia Amazônica, em Belém, abriu oficialmente a 41ª edição do Festival de Iemanjá. Na noite deste domingo, 7/12, dia que antecede a data dedicada à Nossa Senhora da Conceição, também chamada de Iemanjá pelos seguidores das religiões afro-religiosas, centenas de pessoas se concentraram no bairro da Pedreira para prestar as primeiras homenagens à Rainha do Mar. 

Em Outeiro, segundo a Polícia Militar, cerca de 30 mil pessoas participaram do evento, que teve esquema de segurança reforçado.

“Mais do que mostrar a força da religião umbandista, esse evento mostra a união e a fraternidade entre os povos, independente de qualquer denominação religiosa. Afinal, Deus não tem religião, e tudo que Ele quer é que nos comuniquemos com Ele, não importa o caminho”, explicou o bispo Emanuel Almeida, da igreja Católica Carismática.

Após a cerimônia inicial, que também teve a bênção do bispo católico, um cortejo com a imagem de Iemanjá seguiu de carro para a Praia Grande, na Ilha de Caratateua

No tradicional palco do festival, as homenagens à Rainha do Mar continuaram durante a noite toda, com danças, oferendas à beira-mar, louvor e música. 

‘’Essa festa é um exemplo do quanto as religiões de matrizes africanas ainda continuam firmes e fortes na Grande Belém. A cada nova edição do Festival de Iemanjá, aumentamos o olhar da sociedade para esse segmento religioso e divulgamos a importância dessas manifestações para a nossa cultura”, destacou o coordenador do festival, coronel Itacy Domingues.

Devoto de Iemanjá, o aposentado João Valente, 68, disse que nunca perdeu um festival em Outeiro. Segundo ele, a data é sagrada. Por isso, todos os anos, além de participar dos rituais de homenagem, ele faz questão de confeccionar o próprio barquinho de oferendas entregue na praia. 

“A minha relação com Iemanjá vem de longa data. Por isso não abro mão dessa festa. Enquanto tiver vida e saúde, todos os anos vou participar, louvando, agradecendo e levando minha oferenda feita com as próprias mãos”, contou.

Segurança

Para garantir a tranquilidade dos participantes do festival, o sistema de segurança pública do Estado montou uma operação envolvendo as polícias Civil e Militar, Corpo de Bombeiros, Defesa Civil e Departamento de Trânsito Estadual (Detran). Somente na Polícia Militar, 230 agentes atuaram de forma ostensiva na Praia Grande e nas principais ruas de Outeiro.

“Por conta da proporção desse evento, o sistema de segurança pública planejou um esquema de trabalho integrado, que envolvesse não apenas policiamento, mas uma atuação intensa dos órgãos de proteção social. Por isso, além do efetivo da PM que atua normalmente no distrito, a operação também teve reforços de policiais e viaturas de diversas outras zonas de policiamento da capital’’, explicou o major Cezar Magno, comandante do policiamento da área.

Criado em 1971 por pais e mães de santo de Belém, o Festival de Iemanjá é hoje a maior festa umbandista da região Norte. 

Segundo a coordenação do evento, o festival, que já alcançou em anos anteriores um público de 70 mil pessoas, é um espaço para agradecer por graças recebidas durante todo ano e renovar os pedidos de proteção à Rainha do Mar. 

“É dia de celebração e louvor à Mãe Oxum. Por isso esperamos com muita alegria esse momento de reverenciar e dizer em uma só voz e em alto e bom som: viva Iemanjá!“, ressaltou o coordenador do evento.


Adison Ferrera - Secretaria de Estado de Comunicação




Nenhum comentário: