quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Mais de dez mil em Berlim contra islamistas e islamófobos – Por Maria João Guimarães


Uma coroa branca de flores com as palavras: 

“terrorismo: não no nosso nome”

Colocada em frente à embaixada de França em Berlim, na praça em frente à porta de Brandemburgo, foi um dos momentos da manifestação que juntou mais de dez mil pessoas na capital alemã apelando à tolerância religiosa e contra o radicalismo.

A iniciativa de organizações muçulmanas e turcas da Alemanha teve a presença do Presidente, Joachim Gauck, da chanceler, Angela Merkel, e de líderes religiosos. A mensagem, forte, foi de unidade.

“Nós todos, nós somos a Alemanha”, disse o Presidente Joachim Gauck. “Não nos vamos deixar dividir. Mantemo-nos firmes contra qualquer forma de demonização e ostracismo”, continuou. “Não vos daremos o presente do nosso ódio”, prometeu.

A Alemanha, disse ainda Gauck, “tornou-se mais diversa a nível religioso, cultural, e de mentalidade graças à imigração”, o que “contribuiu para o sucesso do país e tornou-o mais interessante”.

A chanceler não falou na concentração, mas na véspera tinha dito que o islão faz parte da Alemanha. 

“Excluir grupos de população por causa da sua fé ou origem está para além da dignidade do nosso Estado liberal”, declarou então. “Ódio a estrangeiros, racismo e extremismo não têm lugar neste país”, acrescentou.

“Os terroristas não venceram e não irão vencer”, disse nesta terça-feira o líder do Conselho Central de Muçulmanos da Alemanha, Aiman Mazyek. 

O vice-presidente do Conselho Geral dos Judeus na Alemanha, Abraham Lehrer, condenou por seu lado “os actos de vingança” que se seguiram aos ataques contra o Charlie Hebdo, “nomeadamente as agressões contra as mesquitas”.

“Judeus, cristãos e muçulmanos dizem juntos 'não' a qualquer violência em nome da crença em Deus”, declarou o bispo de Berlim Markus Dröge.

“Por tudo o que a religião nos possa separar, une-nos a vontade de não nos deixar pôr uns contra os outros”, disse pelo seu lado o bispo auxiliar Matthias Heinrich, responsável da Igreja Católica.

Juntaram-se ainda à acção vários ministros, presidentes dos grupos parlamentares, responsáveis de sindicatos e outras associações. 

Muitos quiseram dar um sinal contra a islamofobia que tem agitado o país com as manifestações do movimento Pegida (acrónimo de Europeus Patriotas contra a Islamização do Ocidente) em Dresden. 

Mas apesar de ganhar força em Dresden, até agora o movimento tem originado sobretudo contra-manifestações no resto do país.


O Pegida não tardou a usar os ataques em França para reivindicar que os seus avisos em relação ao perigo dos islamistas eram fundados. 

O crescimento do movimento, ainda que focado em Dresden, tem abalado a Alemanha, onde há uma grande preocupação com o discurso extremista.




Nenhum comentário: