segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

O que diz a Igreja Católica sobre a ordenação de mulheres? - Por Filipe d'Avillez



A inglesa Elizabeth Lane foi ordenada bispo na Igreja de Inglaterra. Algo que seria impossível na Igreja Católica.

A ordenação de mulheres, tanto para o sacerdócio como para o episcopado, é apenas uma das diferenças entre a Igreja Anglicana e a Católica, mas é uma diferença significativa, considerada pelos católicos como "definitivamente" impeditiva do reconhecimento das ordens sacras dos anglicanos e de uma eventual reunificação. 

A Igreja de Inglaterra começou a ordenar mulheres para o sacerdócio em 1994 e esta segunda-feira ordenou a primeira mulher para o episcopado. Outras províncias anglicanas, como a Igreja americana, canadiana e australiana, por exemplo, já ordenam mulheres bispo há muitos anos. 

Mas na Igreja Católica, aliás como nas Igrejas ortodoxas, a ordenação de mulheres não só não é possível de momento como é considerada uma questão doutrinária que não pode ser mudada. 

As raízes da questão são tanto da revelação como da tradição, os dois pilares sobre os quais assentam os ensinamentos da Igreja Católica. A revelação é tudo aquilo que foi transmitido pelas Escrituras, à luz dos ensinamentos de Cristo e dos apóstolos. 

Considera-se que a Revelação terminou com a morte do último apóstolo. Já a tradição tem a ver com prática da Igreja desde os tempos apostólicos. A tradição, por natureza, vai evoluindo ao longo dos séculos, mas não se pode contradizer, pelo que novos ensinamentos ou reinterpretações de ensinamentos antigos só são aceitáveis se forem em linha com a tradição da Igreja, e nunca contrárias.

Por exemplo, a Igreja já ordenou, e ordena ainda sob certas condições, homens casados, pelo que a restauração desta tradição seria possível à luz da doutrina. Mas a Igreja não só nunca ordenou mulheres como sempre entendeu que a ordenação de mulheres seria inválida, pelo que a alteração desse ensinamento seria contrária à tradição da Igreja e, por isso, inválida. 

Esta tradição assenta no facto de Jesus apenas ter escolhido homens como seus apóstolos, apesar de ter tido muitas seguidoras influentes, e radica no conceito de sacerdócio judaico do Antigo Testamento, que também era reservado aos homens, apesar de outros povos vizinhos terem sacerdotisas nas suas religiões. 

Diz o Catecismo da Igreja Católica: "Só o varão baptizado pode receber validamente a sagrada ordenação. O Senhor Jesus escolheu homens para formar o colégio dos Doze Apóstolos, e o mesmo fizeram os Apóstolos quando escolheram os seus colaboradores para lhes sucederem no desempenho do seu ministério. O Colégio dos bispos, a que os presbíteros estão unidos no sacerdócio, torna presente e actualiza, até que Cristo volte, o Colégio dos Doze. A Igreja reconhece-se vinculada por essa escolha feita pelo Senhor em pessoa. É por isso que a ordenação das mulheres não é possível." 

A questão nunca foi seriamente colocada na Igreja Católica até ao século XX. João Paulo II pronunciou-se sobre ela, na sua qualidade de Papa, com a Carta Apostólica "Ordinatio Sacerdotalis", em 1994: 

"Para que seja excluída qualquer dúvida em assunto da máxima importância, que pertence à própria constituição divina da Igreja, em virtude do meu ministério de confirmar os irmãos (cfr Lc 22,32), declaro que a Igreja não tem absolutamente a faculdade de conferir a ordenação sacerdotal às mulheres, e que esta sentença deve ser considerada como definitiva por todos os fiéis da Igreja." 

Mais recentemente, questionado sobre a mesma questão, o Papa Francisco remeteu precisamente para esta declaração de João Paulo II.

Nos documentos da Igreja sobre este assunto, faz-se questão de enfatizar que a impossibilidade de ordenação de forma alguma implica algum tipo de inferioridade por parte da mulher. 

"De resto, o facto de Maria Santíssima, Mãe de Deus e Mãe da Igreja, não ter recebido a missão própria dos Apóstolos nem o sacerdócio ministerial, mostra claramente que a não admissão das mulheres à ordenação sacerdotal não pode significar uma sua menor dignidade nem uma discriminação a seu respeito, mas a observância fiel de uma disposição que se deve atribuir à sabedoria do Senhor do universo", escreve João Paulo II, no mesmo documento. 

Actualmente há alguns casos de activistas pela ordenação das mulheres que se fazem "ordenar", passando a intitular-se sacerdotisas católicas. Contudo, à luz dos ensinamentos da Igreja Católica, estas ordenações não só são ilícitas como inválidas, isto é, infringem as regras da Igreja. Além disso, não têm qualquer efeito prático. 

À luz do Código de Direito Canónico, qualquer pessoa que participe numa dessas falsas ordenações incorre em excomunhão automática.






Nenhum comentário: