quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Observatório Liberdade Religiosa diz que ataque de Paris "é insulto extremo à Humanidade"


O recém-criado Observatório para a Liberdade Religiosa (ORL) condenou hoje o ataque à sede do jornal satírico francês Charlie Hebdo, que fez pelo menos 12 mortos, considerando-o "um insulto extremo" à Humanidade e ao Islão.

"O Islão foi insultado mais uma vez por terroristas que abusam do seu nome. Hoje todos somos parisienses", adianta o ORL em comunicado.

Três homens armados com uma kalashnikov e um lança-rockets atacaram a sede do jornal satírico Charlie Hebdo, no centro de Paris, fazendo pelo menos 12 mortos, dois dos quais polícias, e 20 feridos, quatro deles em estado muito grave.

O jornal Charlie Hebdo tornou-se conhecido em 2006, quando decidiu republicar cartoons do profeta Maomé, inicialmente publicados no diário dinamarquês Jyllands-Posten e que provocaram forte polémica em vários países muçulmanos.

Em 2011, a sede do semanário ficou destruída num incêndio de origem criminosa, depois da publicação de um número especial sobre a vitória do partido islamita Ennahda na Tunísia no qual o profeta Maomé era o "redator principal".

A confirmarem-se as suspeitas e os indícios de que se tratou de um ataque terrorista, acrescenta o ORL, "esta barbárie veio reforçar a importância da defesa da liberdade, de todas as liberdades, sobretudo de expressão e de crença".

O ORL relaciona o ataque ao jornal com a publicação, em 2011, das caricaturas satíricas do profeta Maomé, considerando que "um exercício de liberdade de expressão, eventualmente discutível na forma, mas inquestionável no princípio, tê-los-á, ao que parece, sentenciado a esta sumária execução".

"É um insulto extremo à humanidade", acrescenta o ORL, considerando que o "atentado em Paris será um marco na história", que poderá prenunciar "o dealbar de um período difícil para os Direitos do Homem".

Para o ORL, o ataque "confunde" e "envergonha" o mundo e "mostra a face negra do abuso desumano da religião". "O atentado traduz a fraqueza de uma minoria, que procura pela força aquilo que não consegue pela razão e pela fé", sublinha o ORL.

O Observatório para a Liberdade Religiosa, anunciado em novembro, é uma iniciativa de investigadores e cidadãos portugueses, que visa o estudo das religiões e o acompanhamento da situação da liberdade religiosa em Portugal e no mundo.

Como primeira iniciativa pública, o ORL tem agendado para 14 de janeiro, pelas 18:30, o debate: "Do `Estado Islâmico` à Europa desencantada, Desafios à Liberdade Religiosa", onde os acontecimentos de hoje em Paris serão analisados.


A estrutura independente, que surge associada à área de Ciência das Religiões, da Universidade Lusófona, é coordenada pelo professor e investigador Alexandre Honrado e pelo jornalista Joaquim Franco.




Nenhum comentário: