quinta-feira, 7 de maio de 2015

Muçulmanos britânicos se sentem na berlinda em campanha eleitoral


O debate político sobre o Islã está muito vivo na campanha das eleições legislativas britânicas e o impacto se sente especialmente em Birmingham, onde um quarto da população é muçulmana.

"Os políticos estão utilizando os muçulmanos como um saco de boxe", lamentou Abdul Rashid, o encarregado da principal mesquita da cidade. "Os políticos buscam formas baratas e fáceis de ganhar popularidade (...) e, neste momento, a forma barata e fácil de ganhar popularidade é a imigração e a islamofobia", declarou à AFP.

Birmingham é a segunda maior cidade da Grã-Bretanha, com 1,2 milhão de habitantes, quase a metade de minorias étnicas. Depois dos ataques contra a revista satírica Charlie Hebdo em janeiro, em Paris, um analista que falou à emissora americana Fox News disse que Birmingham é uma "zona de exclusão" para os não muçulmanos.

Este comentarista se desculpou depois, mas enfureceu muitos moradores deste antigo centro industrial. Os primeiros imigrantes muçulmanos, iemenitas, chegaram a Birmingham no começo do século XX para trabalhar na indústria siderúrgica. Desde então, tem havido sucessivas ondas migratórias do subcontinente indiano, Afeganistão, Bósnia e Somália.

A cidade é conhecida agora pela convivência pacífica entre a maioria de suas comunidades, apesar de ter sido atingida pela onda de distúrbios que percorreu o país em 2011, depois que a polícia matou um homem em um bairro de Londres.

Birmingham é "uma cidade onde as pessoas sentem que podem viver juntas e se tolerar mutuamente", disse Mashuq Ally, chefe adjunto de um departamento municipal encarregado da coesão comunitária.

Mistura étnica ou segregação voluntária

Ally está em contato constante com as muitas comunidades étnicas da cidade para evitar qualquer conflito ou violência. "Apesar de que digam que é a segunda cidade mais vulnerável ao terrorismo depois de Londres, estamos muito seguros porque a comunidade é parte da solução", disse, saudando a cooperação entre a administração municipal, as comunidades muçulmanas e a polícia.

Philippe Trzebiatowski, um jovem francês que trabalha em um guia de viagens de Birmingham para a companhia Expedia, disse que "as pessoas se misturam com toda naturalidade". Mas, nem tudo é cor-de-rosa em "Brummie land", como os moradores se referem à cidade.

No ano passado, estourou um escândalo quando se soube que alguns muçulmanos radicais tentavam se ocupar dos conselhos administrativos de algumas escolas da cidade. Segundo o censo de 2011, há três zonas da cidade com mais de 70% de população muçulmana: Washwood Heath, Bordesley Green e Sparkbrook.

O professor Carl Chinn, que chefia um projeto de história das comunidades na Universidade de Birmingham, disse que a tendência a permanecer juntos não é apenas um fenômeno dos muçulmanos, mas que ocorre também com a classe operária branca e em cidades de toda a Europa. "É um tema que devemos abordar sem hipérboles", disse, em entrevista ao The Guardian.

"A comunidade está amadurecendo"

Cerca de 4.000 fiéis vão às orações de sexta-feira na mesquita principal de Birmingham. Enquanto as crianças de uma escola local chegavam para uma visita guiada, Rashid disse que nos últimos anos todas as religiões da cidade fizeram mais esforços para criar laços.

Decidido a lutar contra o preconceito, ele incentiva os muçulmanos a votar nesta quinta-feira para demonstrar que são membros ativos da sociedade britânica. "Houve um tempo em que se pensava que todos os imigrantes votavam em trabalhistas, mas acho que passou", disse.

"À medida que a comunidade amadurece, seus membros avaliam outros partidos políticos, outras opiniões", acrescentou. O professor Matthew Francis, especialista da Universidade de Birmingham sobre o voto das minorias étnicas, disse que entre 55% e 60% dos eleitores de origem asiática na Grã-Bretanha votam em trabalhistas.

Para os conservadores, o apoio entre os muçulmanos é de apenas 10%, enquanto que entre os hindus e sikhs é levemente superior, de 15% a 20%. "Parte da razão para a hostilidade geral com os conservadores é sua longa história de oposição manifesta à imigração e seu ceticismo sobre o multiculturalismo", disse Francis.






Nenhum comentário: