quinta-feira, 9 de julho de 2015

Governador Rui Costa/BA convoca religiosos para luta contra violência - Por Aparecido Silva



Durante o encontro, Rui também falou da importância da educação. O governador participou do primeiro encontro do programa Pacto Pela Vida.

Apostando na possibilidade de que as diversas lideranças religiosas possam ajudar a superar violência no estado, o governador Rui Costa realizou ontem o primeiro encontro do programa Pacto Pela Vida com representantes de variadas religiões.

“É importante a iniciativa de convidar as religiões para que possamos, juntos, nos envolver e discutir um problema que não é só do governo, ou dos secretários, ou do Ministério Público, ou da Justiça, mas é um problema da sociedade”, justificou Rui.

“Todos os líderes da sociedade podem e devem se envolver e ajudar a superar este quadro difícil da cultura da violência em nosso estado e nosso país. Queremos replicar isso com outras lideranças da sociedade”, revelou. Durante o encontro, Rui também falou da importância da educação, considerado um dos principais focos da sua gestão.

“Não tenho a intenção de transformar a escola em um instrumento para cooptar as pessoas para as religiões. O importante é discutir a história do catolicismo, das religiões protestantes, os valores e princípios dos espíritas. O que pretendemos proporcionar é conhecimento e reflexão para essa juventude, que deve discutir filosofia e referências de vida. A ideia é convidar todas as visões de mundo, as visões religiosas, para replicar essa visão sobre horizontes de vida, modos de enxergar o mundo, é o que quero levar para dentro das escolas”, afirmou. 

“Além da ação nas escolas, eu pedi a ajuda deles[líderes religiosos] na ressocialização daqueles que estão privados de liberdade, mesmo que parcial, e também do envolvimento do deles com o trabalho comunitário. Algumas dessas lideranças já realizam atividades comunitárias e podem ter uma sinergia maior se tiver o apoio do governo”, disse o governador.

O representante do segmento espírita, João Neves da Rocha, ressaltou que atualmente o aluno é muito estimulado na divergência, na disputa, na competição e não na tolerância e na compreensão da igualdade que todo ser humano traz em si. “Então, é necessário que a educação ganhe uma nova dimensão, um novo direcionamento”.

André Luiz Nascimento dos Santos, da Casa de Oxumaré, apresentou sugestões que podem ser aproveitadas pela proposta do governador Rui Costa. “É muito importante pensarmos políticas transversais em que se atrele a espiritualidade e ações de Estado. É uma forma de construir políticas públicas pensando no ser humano em sua totalidade. São exemplos o ensino da tradição afro-brasileira nas escolas públicas, articular a trajetória do povo negro na educação. Também é possível colocar os templos religiosos como articuladores de diversas políticas públicas”, sugeriu André.

O encontro realizado na sede do Ministério Público (MP), no Centro Administrativo da Bahia (CAB), contou com representantes de órgãos de segurança pública, secretarias estaduais, além de instituições como a Defensoria Pública e o Tribunal de Justiça da Bahia. Estiveram representadas as igrejas batista, católica, evangélica, presbite­riana, as religiões de matriz africana, espírita e judaica.







Nenhum comentário: