quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Pesquisa da Uneal vai subsidiar documentário selecionado pelo Ministério da Cultura


Uma pesquisa desenvolvida pelo Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros da Universidade Estadual de Alagoas (NEAB-Uneal), com a coordenação do professor Clébio Correia de Araújo, vai subsidiar a construção do documentário: ‘O Juremeiro de Xangô’, com direção da premiada cineasta Arilene de Castro. As gravações estão previstas para serem iniciadas ainda este ano, em Arapiraca.

O projeto do filme foi selecionado pelo edital ‘Curta afirmativo 2014: protagonismo de cineastas afro-brasileiros na produção audiovisual’, do Ministério da Cultura, e vai receber o aporte financeiro no valor de R$ 100 mil para a execução da obra.


“Fizemos um projeto para falar da Jurema Sagrada, que é uma religião afro-ameríndia criada no Nordeste. A Jurema é o retrato da diversidade cultural brasileira. Seu lastro ritual vem da pajelança indígena e do uso da fumaça como instrumento de cura”, explicou o pesquisador Clébio Correia.

O Candomblé e a Jurema Sagrada serão retratados a partir do trabalho do Pai Alex Gomes da Silva, cujos terreiro e templo estão localizados em Arapiraca. “A ideia é tratar desse tema a partir da narrativa da vida do Pai Alex Gomes da Silva e seu duplo pertencimento ao Candomblé e à Jurema”, ratifica Correia.

A proposta da iniciativa é dar visibilidade às práticas religiosas, com a finalidade de promover o conhecimento e o respeito à cultura afrodescendente. “Em Recife, há um trabalho de divulgação, mas, aqui [em Alagoas], não há nenhum registro”, avaliou o assistente de direção e responsável pelo desenho sonoro, Igor Machado.

O assistente de direção destacou que a seleção vem em um bom momento. “É uma oportunidade de retratar a cultura, em especial a religião afro-nordestina, ao mesmo tempo em que Arapiraca começa a discutir, a desenvolver o audiovisual”, frisou. As gravações terão o apoio do grupo arapiraquense Coletivo Arte Camaleão.

Areias que falam


A cineasta alagoana Arilene de Castro dirigiu, em 2009, o documentário: Areias que Falam, que foi vencedor do DocTV, da TV Cultura. O filme, exibido em rede nacional, fala sobre a região da foz do Rio São Francisco e três comunidades que vivem no entorno.




Nenhum comentário: