sábado, 7 de novembro de 2015

Bahia ganha comitê para combater intolerância religiosa – Por Jéssica Sandes



Há quem diga que o baiano é versátil quando o assunto é religião. Isso porque é comum ver cristãos reverenciando orixás, por exemplo. 

Mas, ainda assim o Centro de Referência de Combate ao Racismo e à Intolerância Religiosa Nelson Mandela, vinculada à Secretaria de Promoção da Igualdade Racial (Sepromi), contabilizou 11 casos de intolerância religiosa, na Bahia, entre Janeiro e Junho deste ano.

Na tentativa de combater as agressões desse tipo, líderes religiosos lançaram, nesta sexta-feira, 06/11, no centro espírita Cidade da Luz, em Pituaçu, o Comitê Interreligioso da Bahia (Cirb). O grupo, que já tem três meses, pretende reunir cidadãos de diversas religiões para discutir meios de disseminar o respeito entre os religiosos.

A proposta é que, a cada 15 dias, os integrantes se reúnam para discutir a questão, cada encontro será promovido em uma sede religiosa. O próximo vai ser no dia 14 de novembro, no Templo Cacique Pena Branca, no Caji, Lauro de Freitas, a partir das 10h, aberto ao público.

Presidente da comissão, o padre Alfredo Dorea, da Instituição Beneficente Conceição Macêdo (IBCM), explica que qualquer pessoa pode integrar o grupo, basta querer agregar conhecimento e ter "boa vontade" para promover diálogos.

"Estamos de portas abertas para acolher a todos. Não necessariamente lideranças religiosas, qualquer pessoa pode participar do comitê sem ter o aval da presidência das entidades, simplesmente porque quer trabalhar em favor do bem. Estamos vivendo um momento complicado, em que as pessoas se machucam e se ferem em nome da fé. O que queremos é que cada um possa viver na beleza de ser o que é", frisou o padre Alfredo.

Iniciativa

Ele conta que o comitê surgiu a partir da união de líderes religiosos que se encontravam, eventualmente, em trabalhos beneficentes e decidiram se unir em prol da causa. Atualmente, fazem parte da comissão, o Pastor Djalma Torres; Mãe Jaciara Ribeiro da Abassa de Ogum; Mãe Daya Dias, Leonardo Lima e Caio Novais de Brito Cunha, do Templo Cacique Pena Branca; Pai Raimundo, do Centro Umbandista Paz e Justiça Dr. Geraldo Ramos e espírita José Medrado e o padre Alfredo.

O espírita José Medrado explicou que o comitê também quer incentivar as denúncias de intolerância religiosa, com o objetivo de intensificar essa discussão na sociedade. Segundo ele, além das reuniões quinzenais, a comissão tem estudado formas de utilizar o serviço jurídico nas questões levantadas e nas denúncias efetuadas.

Para Medrado, a palavra tolerância, no que diz respeito à religião, deveria ser substituída por respeito. "O grande problema do ser humano é a vivência de uma religião como se fosse um clube de futebol ou um partido político, para competir verdades. No momento que o homem deixar de querer competir verdades e se agregar no que se converge, a fé, o amor, a caridade, eu tenho certeza que essas questões menores, ideológicas e doutrinárias, se diluirão, para emergir o que é realmente um processo de religiosidade", defende.


O umbandista Pai Raimundo afirmou que o comitê vai falar de amor. "É o que falta em algumas casas religiosas. É preciso tomar cuidado com o que é dito para os fiéis. Somos formadores e de opinião e o que falamos pode ser disseminado por aí. É difícil ser líder religioso, porque, às vezes você fala 'A' e entendem outra coisa", pontuou.



Nenhum comentário: