sábado, 7 de novembro de 2015

Rússia elabora WiFi religioso – Por Ramil Sitdikov


No futuro mais próximo os russos religiosos poderão usar escolher entre redes WiFi generalizadas e as adaptadas para uso especial; navegadores que filtram informações também podem terão bastante procura, informa o jornal russo Izvestia.

Os pontos de acesso a estas redes especiais serão instalados perto de templos, em locais populares entre os habitantes de cidades e jovens. A decisão de elaborar o projeto foi tomada pelo Conselho Interconfessional da Rússia. O presidente adjunto da seção pela interação da Igreja e sociedade da Igreja Ortodoxa Russa, sacerdote Roman Bogdasarov, explicou a ideia.

Segundo Bogdasarov, a rede WiFi especial não deixará sair mensagens de caráter extremista e sectário ou pecaminoso. Também esta rede bloqueia informações com fatos históricos falsificados. Na sua opinião, agora todos os aspectos da vida cotidiana estão ligados ao espaço informacional. É por isso que a religião e a Igreja Ortodoxa têm de tratar disso.

“Não dizemos que na Internet ortodoxa só haverá sermões do patriarca ou sites ortodoxos. Haverá muitas coisas, inclusive cinema normal e filmes russos e estrangeiros que infundem nas pessoas tais valores corretos como moral tradicional, patriotismo, proteção da família e crianças“, cita o Izvestia o sacerdote russo.

Bogdasarov afirma que testar a nova rede poderão grupos religiosos de cristãos ortodoxos, muçulmanos, judaicos e budistas.

“Depois de concordar [tudo] com a seção de informações das autoridades religiosas a tecnologia será transpassada aos templos gratuitamente e conseguirão instalar WiFi a si próprios. Também estão prestes a transpassar esta tecnologia a todos os que querem. Onde instalar os pontos [de acesso] é a tarefa das prefeituras”.

Os representantes de outras confissões também expressaram o seu interesse pelo projeto.
“Agora muitas pessoas mesmo as que não desejam isso frequentemente recebem informações indecentes através da Internet. […] Convém proteger os nossos jovens a crianças deste fenómeno”, disse o presidente adjunto do Conselho de muftis da Rússia, Rushan Khazrat Abbyasov.

A mesma opinião foi ecoada pelo diretor do serviço de imprensa da Federação de comunas judias:

“Com certeza, apoiamos várias tentativas de censurar a Internet que poderá ajudar às pessoas religiosas evitar no espaço informacional a propagação de violência e pornografia e ao mesmo tempo permanece ali e trabalhar com sucesso”.


Há de dizer que as tecnologias de filtrar informações de conteúdo “pecaminoso” já existem na Rússia. Por exemplo, há um projeto rublev.com que não mostra resultados das pesquisas sobre “pornografia” ou “violência”, mas mostra letras de orações ou textos com sermões. Segundo o dirigente do projeto, Aleksandr Nikandrov, o projeto foi criado não para tirar lucro, mas para “alterar a percepção do cristianismo ortodoxo na Internet”.




Nenhum comentário: