quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Capelania apela para oração dos católicos portugueses

O coordenador da Capelania Nacional Ucraniana em Portugal, católico de rito bizantino, lamentou hoje os últimos acontecimentos em Kiev e apelou para a oração pelo povo da Ucrânia em todas as cerimónias católicas portuguesas.

"Estou a pedir uma coisa simples: Uma oração do povo português pela Ucrânia. Ontem (terça-feira) a situação agravou-se com conflitos que provocaram mortes nos dois lados: do lado do povo que protesta e também pelo lado da polícia. Nós estamos longe das nossas terras e das nossas famílias e o que vemos é que não podemos confiar nos políticos, somente queremos pedir a ajuda divina rezando pelo povo", disse à Lusa o padre Ivan Hudz.

O sacerdote acrescentou que já efectuou contactos para que todas as missas, do rito latino ou do rito católico oriental, celebradas em Portugal tenham como intenção a paz pela Ucrânia.

"Pedi aos padres e aos bispos de Portugal para uma oraçãozinha que se pode oferecer pela paz aqui em Portugal pela nossa pátria", explicou Ivan Hudz que representa cerca de 25 mil fiéis de um total de 60 mil imigrantes ucranianos, que são maioritariamente ortodoxos.

Para o padre católico ucraniano do rito oriental "é preciso lamentar a violência e sublinhar que a pior coisa que pode aparecer é a guerra entre irmãos" que deve ser evitada por todos os meios.

"Eu como padre não me meto em políticas mas pelo que percebi, o povo na Europa está a pedir uma sanção contra o governo da Ucrânia e bloquear os depósitos dos fortes da Ucrânia. Talvez por este meio se consiga solucionar a coisa porque a guerra não resolve nada. Quem tem dinheiro e quem tem poder pensa que pode fazer tudo, e não pode ser", afirmou.

A comunidade de católicos ucranianos de rito oriental dispõe de 10 padres e de 27 locais de culto em Portugal.

Os violentos confrontos que se registam desde terça-feira na capital ucraniana entre manifestantes da oposição e forças policiais já fizeram, pelo menos 26 mortos, de acordo com o Ministério da Saúde da Ucrânia.





Nenhum comentário: