quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Religiosos de ocasião - Por Gabriel Novis Neves

Candidatos fazem o papel de verdadeiros gigolôs da fé alheia. Nunca a festa de São Benedito contou com a presença de tantos políticos como a deste ano. 

Os homens da “inteligência” dos candidatos majoritários tiveram muito trabalho em projetar caminhos para que inimigos políticos não se encontrassem, provavelmente com o auxílio de uma tecnologia avançada com apoio de satélites. 

"A religião faz parte da nossa formação ética e moral, mas, infelizmente, é motivo de exploração daqueles que tem fé em alguém ou em alguma coisa"Será que essa gente especializada em enganar seres humanos tem a pretensão de iludir devotos de São Benedito com suas presenças, nesta festa que traduz toda a nossa fé católica? 

Esse desfile hipócrita é espontâneo, ou uma exigência de velhos novos marqueteiros? Fazem o papel de verdadeiros gigolôs da fé alheia. Percorrem, feito Rei Momo, todas as festas religiosas, com o único objetivo de conseguirem o voto de seus fiéis. 

Tenho minhas dúvidas sobre a eficácia dessa busca de crenças. Enfim, isso é o que presenciamos na semana do santo preferido dos cuiabanos. Como os políticos não têm, na grande maioria das vezes, ideologia, pratica-se uma espécie de adultério eleitoral, abrindo seus palanques a dois ou três candidatos à Presidência da República ao mesmo tempo e, acham que na religião essa metodologia funciona. 

Envolver política com religião é eticamente lamentável, mesmo sendo uma prática usada desde que o mundo é mundo. No mínimo é um sinal de atraso e péssimo exemplo para a nossa gente de muita fé. A cultura religiosa não é produto de convenções partidárias, difíceis de serem entendidas. Muito menos de acertos espúrios cuja meta é o poder político. 

A religião faz parte da nossa formação ética e moral, mas, infelizmente, é motivo de exploração daqueles que tem fé em alguém ou em alguma coisa. Cuidado candidatos com o andor, pois o santo é de barro! 

Devemos louvar os nossos santos com pudor e respeito e não profanar seus santuários com suas indesejadas presenças politiqueiras. Política é política, e deve ser exercida no seu palco, que hoje é o meio de comunicação. 

Religião é demonstração do belo sentimento da fé. 


Gabriel Novis Neves é médico em Cuiabá, foi reitor da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT).




Nenhum comentário: