terça-feira, 1 de outubro de 2013

Departamento de Teologia da PUC-Rio comemora 45 anos

O Departamento de Teologia da PUC-Rio comemorará em Outubro 45 anos de atividades (1968-2013) e 40 anos de sua aprovação canônica e início da Pós-Graduação.

Para comemorar a data, será realizado o seminário: “Memória, Identidade e Missão”, na próxima quinta-feira, 3, das 8h às 18h30, encerrando com um coquetel. O arcebispo do Rio, Dom Orani João Tempesta, participa da mesa de abertura.

A comemoração do aniversário de departamento encerra a programação da XIV Semana Teológica, cujo tema será: 

“A Inteligibilidade da Fé Cristã num Mundo Plural”

que terá início no dia 1º de Outubro. 

“A memória nos faz recordar. O evangelho de João aponta a atitude de re-cor-dar, dar de novo o coração, como uma ação atribuída ao Espírito Santo que vai inspirar aos cristãos, à Igreja, o verdadeiro seguimento de Jesus", afirmou a professora e teóloga Ana Maria Tepedino, organizadora do seminário.

Ana Maria também destacou que a celebração do aniversário do setor  é uma oportunidade para fazer memória e buscar ânimo para os novos desafios. 

"Ao celebrar os 45 anos de fundação do Departamento de Teologia, buscamos a memória vivida com a finalidade de refazer o percurso de nossa história, que revela nossa identidade e nos ajuda a repensar o nosso projeto, nossa missão na universidade e no mundo. Nos anima a enfrentar o momento presente, nos entusiasma de novo, para enfrentar os novos desafios”.

Uma teologia de serviço


Fundado logo após o encerramento do Concílio Vaticano II, o Departamento de Teologia da PUC-Rio foi marcado pela reflexão teológica que a Igreja vivia na época.

Nos primeiros folders de divulgação de suas atividades, aparecem as propostas do curso oferecido: “promover e estimular a investigação teológica; proporcionar aos alunos sólida formação pessoal ao exercício dos ministérios eclesiais, especialmente o presbiteral; e divulgar em todos os níveis o pensamento teológico, de modo a contribuir para a evangelização da cultura nacional e contemporânea”.

“Com esta bagagem cultural teria capacidade de responder aos desafios da realidade, da sociedade. Sua identidade marcava seu estilo: uma teologia encarnada, pioneira, aberta à realidade brasileira, numa atitude dialógica e crítica, como era a tarefa de toda nossa universidade. Este é o espírito com que foi fundada. E este pioneirismo marca os 45 anos de existência do departamento e dá o tom da sua história: não fazer teologia para si, para ficar mais sábio, mas para servir. E este espírito permanece até hoje”, completou Ana Maria.




Nenhum comentário: